Outros Blogs do meu grupo:

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Sentidos da memória

Das palavras naufragadas,
esqueço,
as marés encalhadas
do suor das minhas mãos.

Não me recordo
onde nascia o vento,
nem tão pouco
das garras do pensamento.

Recordo-me,
de não saber guardar um sonho,
entregando-me à noite
de ventre risonho.

Das lindas estrelas
premiadas ao olhar,
recordo,
o caminho mais curto,
no momento de abraçar.

Não me lembro
do lamber da vida,
nem tão pouco
da mensagem prometida.

Lembro-me,
de não querer voltar atrás,
deslizando na esperança
de ainda ser capaz.

Da saudade
em que o corpo gemia,
segreda agora
um silêncio que arrepia.

Nos sentidos da memória
enquanto o sol mastiga a carne,
e o mar ferve no olhar,
o horizonte
não esquece, nunca, de amar.

Vanda Paz

Sem comentários: