Outros Blogs do meu grupo:

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Um soneto aos pedaços

Nós necessitamos de um resto expresso
De um pouco de decoro e compaixão,
De um quase amor sem telhado e sem chão,
De um vinho frio numa boca sem nexo.

Mais ainda: reaprendamos a lição,
Quem sabe de uma cantiga ou das flores,
Por Geraldo Vandré num disco em cores
E que já não nos espera mais, não.

Tenhamos filosofias aos pedaços,
Miragens emendadas aqui, ali,
Na falsa esperança de quem sorri.

Então, em um dia de trêmulos abraços,
Mirarmo-nos plenos em cada um,
Em imagens fragmentadas em zoom.


Luciene Lima Prado


Luciene querida
Hoje aqui a grande sonetista
que és!
Reconhecida na Poesia!
Beijo do ZÉ

Sem comentários: