Outros Blogs do meu grupo:

sábado, 20 de outubro de 2012

Um coração (sofrido) de Poeta


Escreves o amor
com angústia,
até com súplica;
fico perturbado
nem sei explicar
se precisas de ajuda,
se queres viver assim?

O teu silêncio
aparece nas palavras como asas
como alma que quer liberdade
na busca da felicidade
que sejam momentos felizes,
apenas momentos,
porque pedes pouco à Vida,
mas abraçados
serei o rio em teus lábios!

José Manuel Brazão

Sei
 que um dia
 os teus braços
 abraçaram os meus
 e que o teu calor
 foi rio
 nos meus lábios
 (que ainda corre)

Vanda Paz


 Ana Bailune disse...
Somos todos tão cheios de indagações, e tão poucas respostas... mas sempre existem aqueles que nos enxergam melhor do que nós mesmos. Belo poema!

1 comentário:

Ana Bailune disse...

Somos todos tão cheios de indagações, e tão poucas respostas... mas sempre existem aqueles que nos enxergam melhor do que nós mesmos. Belo poema!