Outros Blogs do meu grupo:

terça-feira, 16 de agosto de 2011

De repente


Outra vez sentada no jardim
de cotovelos apoiados
no parapeito do meu silêncio.

Sinto as raízes da inquietude a habitarem-me.
A espremerem-me em dentadas.

No lago, sob os velhos chorões
o cisne coça-se debaixo da asas.
Sacode as penas, sacode o ar.

Fragrâncias alastram em liberdade.

E de repente…

afasta-se a inquietude que me povoa
segue a excitação dos pássaros
afinca-se nas copas das árvores
e, cheia de sono, adormece
enquanto o café que bebo,
me fala baixinho de pétalas de ti.

Marta Vasil 

Sem comentários: