Outros Blogs do meu grupo:

domingo, 5 de junho de 2011

Pombo com ternura e fome

Apetecia
neste dia,
um passeio até ao Tejo
e pelo Terreiro do Paço
andei a pé.
Parei no terminal,
observando
aquela sala gigante.
Parando
junto de mim
um pombo habitante
daquela sala,
que debicava, debicava
e nada encontrava!
Chamei por gestos;
junto de mim parou.
Por largo tempo
não me deixou!
E olhando
aquele pombo habitante
de penas azuladas
e iris avermelhadas,
cheio de fome e ternura,
deixando
as minhas mãos dar-lhe mimos,
sem voar revoltado;
apenas um pombo esfomeado.
Fiquei agradecido
por este novo amigo.
Lembrei-me das crianças
que nas mesmas condições,
ainda têm forças
para nos lançar olhares de ternura
aguardando que nossos corações,
se lembrem
que elas existem.
No meu regresso
e tendo como despedida
olhares de ternura,
ainda me disse:
“Quando voltares
a esta sala gigante,
cá estarei
e ficarei junto a ti,
para descansares
e veres que ainda existo;
como pombo e amigo”.

José Manuel Brazão


Nunca imaginei que tendo criado em poema este facto real com momentos de ternura naquele site tivesse atingido um número invulgar de leituras e mantém-se no top há pelo menos dois anos.

CANTINHO DA POESIA
Pombo com ternura e fome
Por José Manuel Brazão, Ligado 2007-10-25 17:29
Visualizações 37454
em 05.06.2011




Sem comentários: