Outros Blogs do meu grupo:

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Peso de viver

Peso da minha consciência,
Que abomino!
Vivendo da abstinência,
Em que fujo desse mesmo viver,
Onde a alma sofre e só se quer perder!


Lavas Águas de fascínio,
Água sedenta e sem brilho,
Que não limpa nem respira,
Pó do Pó,
Lama do Sangue.


Tristeza dessa mágoa,
Que não chora e nem quer gritar!
Lágrimas finas de mar,
E as ondas que teimam em não querer voltar…

Marlene Carneiro

Sem comentários: