Outros Blogs do meu grupo:

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Memórias


Envelheceu o tempo
Enferrujou a tela
Descoloriu o azul

Paisagem abandono
Pedaço esquecido
De tantas memórias

Só as águas insistem
Em seu vai e vem silencioso
Choram saudades

Ninguém escuta o seu pranto
A não ser aquele velho banco
Fincado na areia

Ele também chora calado
Remoendo antigas lembranças
Por aquela praia... muitos passos...


Um a um foram se apagando
Não há como segui-los
Voltaram para casa...

Para alcançá-los
É preciso ter um par de asas ...

regina ragazzi

“De vez em quando visto minhas asas e vou ...”


 
Regi
Um poema envolvendo tanta beleza!
És uma Poeta especializada naquilo a que chamo: "Memória do tempo"!


Gostei imenso, imenso mesmo!
Beijoo do ZÉ

Sem comentários: