Outros Blogs do meu grupo:

sexta-feira, 15 de julho de 2011

A minha revolta

Como pudeste mulher sofrida, suportar a vida que não era vida?

Como te calaste e num viver de silêncio?

Sofreste a humilhação e a violação do teu querer e do teu corpo!

Humanos com este tipo de comportamento, aliás, animais sem
escrúpulos não merecem que se calem as vítimas, que sentirão
marcas, mágoas, que chagam o coração e lhes retirarão o encanto
do amor!

Na minha vida nunca soube o que era ódio, mas com casos deste tipo
a minha revolta abre o caminho para ele!

José Manuel Brazão

* Texto que elaborei após tomar conhecimento que uma grande Amiga sofria de violência doméstica e que  finalmente confidenciou-me. Hoje  em dia, após o divórcio litigioso renasceu para outra Vida, numa relação feliz! *

Sem comentários: