Outros Blogs do meu grupo:

sábado, 21 de abril de 2012

Um amor que enobrece


Amo
Deus
como uma criança
sendo gerada
no ventre
da sua genitora
onde o ar
ainda não concebeu-a

Amo
Deus
como inocência
conduzida com proteção
de falanges e mais falanges
de anjos do trono

Amo
Deus
com intimidade
só assim
me sinto
mais perto
Dele

Amo
Deus
como uma boca
imunizada
límpida e sadia, nunca
se contaminara

Enfim

Amo
Deus
como quem ama
a verdade e a lealdade.

Luiz Mário da Costa

Mario
que beleza de poema de um profundamente crente. Um final para guardar!
 Abraço do ZÉ

1 comentário:

Mário Bróis - Poeta disse...

- Manuel Brazão, eu que já ando intensamente feliz com o prêmio de poeta do ano, na casa da poesia, aí vc ainda me faz este encômio, postando meu poema, o que possso expressar neste instante, é que a nossa parceria estava escrito nas estrÊLAS E AS CONSTELAÇÕES SE PERDEM NO BRILHO DE TEU BLOG, DOS TEUS POEMAs E DOS POETAS QUE DIVIDEM ESTE ESPAÇO aqui contigo; de fato mereces ser um homem feliz, independente de qualquer coisa. Fica aqui meu abraço cordial, e desejos de muitas poesias. Mário Bróis.