Outros Blogs do meu grupo:

domingo, 28 de fevereiro de 2010

O Amor e o Destino


Só Ele e eu
sabemos quanto a amei!

Vivi
por ela e por eles,
mas a Vida
assim não quis!

Pensei em Amor,
mas não soube dar
ou não souberam receber!

Porquê?

Passo os dias
e as noites
nesta labuta com a minha mente!


Entrego-me
sem pedir nada,
apenas momentos,
que me confortem,
me sosseguem!

Uma vida percorrida,
com sofrimento,
com poucas alegrias,
com isolamento
e apenas
o Sol para me iluminar!

José Manuel Brazão

* Na humildade do Poeta dedicado à Mãe dos meus Filhos: João, Pedro e Paulo *

E de novo a armadilha dos abraços


E de novo a armadilha dos abraços.
E de novo o enredo das delícias.
O rouco da garganta, os pés descalços
a pele alucinada de carícias.
As preces, os segredos, as risadas
no altar esplendoroso das ofertas.
De novo beijo a beijo as madrugadas
de novo seio a seio as descobertas.
Alcandorada no teu corpo imenso
teço um colar de gritos e silêncios
a ecoar no som dos precipícios.
E tudo o que me dás eu te devolvo.
E fazemos de novo, sempre novo
o amor total dos deuses e dos bichos.

Rosa Lobato Faria

Singela homenagem deste Blog
Muita LUZ Rosinha
JosÉ Manuel Brazão

Amor é muito mais...




Um bom exemplo esta imagem sobre a minha luta há mais de vinte anos na divulgação do AMOR!

Amor é muito mais do que desejo e prazer...

José Manuel Brazão

Um poema que me levou às lágrimas!



[i]E foi assim!

Com uma longa amizade pela Poeta Fernanda Rocha Mesquita li ontem o seu poema [b]"Igual a mim mesma"[/b] e durante a sua leitura as lágrimas rolaram pela minha face!

Já li milhares de poemas em que a emoção me visita muitas e muitas vezes, por vezes as lágrimas aparecem, mas com este poema aqui no meu silêncio criou-se um clima dificil de explicar!

Conheço o perfil de Fernanda, o seu sentir, o seu querer e sei que neste poema a está presente de corpo e alma!

Fernanda é uma poeta que com o tal querer se tornou em poucos anos digna do meu respeito e da minha admiração na Vida e na Poesia![/i][b]José Manuel Brazão[/b]


[b]Igual a mim mesma[/b]

Sou no Universo alma tão pequena
Tão pequena é, e no Universo não tem espaço
Desejar demais impede-me de assentar serena
Voo alto demais e em queda grande me desfaço

Parece querer ser demais, querer assim ser de alguém
Parece ser demais querer ser a luz, o sorriso
Ser o ar, o sonho único, sonho que alguém tem
Ser de alguém o beijo, beijo único que eu preciso

Mas quem no mundo assim sente necessidade
Apenas ter um amor e apenas por um amor viver
Divago em pensamentos e não sei se é verdade
Se amor absoluto existe, se é ilusão que quero ter

Mas gosto de assim sentir, de ser gente assim
De toda a gente ser diferente
Uma constante igual a mim
Pois se não fosse assim... não seria gente!

Fernanda Rocha Mesquita

Eu o ZÉ

Esperança



O bairro já adormeceu
A lua vela-lhe o sono

O peito acorda
em roseiras podadas

O vento em fúria engaiolado
Repouso dos sentidos fatigados

Um rasgo em sombras densas
A pele velha dos dias esfoliada
regenerada com loção florida

Com vagar
regatos de luar
correm em surdina
prenunciam outro dia
debulham palavras e sentidos
e inscrevem
neste velar clandestino
que numa queda
nem sempre se partem
as cordas do violino.

Marta Vasil

Se eu pudesse voltar no tempo


Ontem eu senti vontade de abraçá-lo
Dizer que o amava
Quis chamá-lo para sair
Ontem eu queria conversar
Falar e te ouvir
Eu pretendia dizer o quanto você é especial
Mas acabei deixando para depois
O tempo passa tão rápido
A vida é uma correria
E foi na correria da vida que eu te perdi
A linha tênue se rompeu
As luzes se apagaram
Você adormeceu
O pesadelo do arrependimento me consome
Quantas oportunidades desperdiçadas!
Agora é tarde demais
Seus olhos não olham mais para mim
Tuas mãos estão rijas sobre o peito
Já não posso mais sentir a tua respiração
Se eu pudesse voltar no tempo
Seria mais atencioso
Aproveitaria cada segundo ao teu lado
Depois que você partiu
A letargia tomou conta do meu ser
Nada mais posso fazer
Além de recordar os nossos momentos
Sentir a tua ausência
E desejar a tua presença
Se eu pudesse voltar no tempo
Congelaria o teu sorriso
O teu abraço
O teu aperto de mão
Congelaria a vida que pulsava em ti
Ah, se eu pudesse voltar no tempo!

Maria Liberdade

Amigos


Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos...

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido... Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre...

Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados...

Podemos nos telefonar... conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar... meses... anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente... Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos...

Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado... E nos perderemos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores... mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!!!

Vinícius de Moraes

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Sinto-me só. Mas não entendo …!



Sinto-me só,
mas não entendo;
aceito, mas sofrendo.

Deixa-me sinais…
…no meu corpo,
na minha mente!

Por vezes inquietante
e outras angustiante.
Fecho os olhos:
medito e recordo
o passado pouco distante:
vejo as imagens
dos amados que partiram;
dos amados que ficaram.
Procuro-os…
Mas…
preciso de viver…
amando e ser amado,
por aqueles que pairam
comigo neste cativeiro terreno
e pelos outros que já pairam
ainda sem mim,
num mundo mais feliz!

Assim sente:
meu corpo e minha mente!


Desilusão
Se tenho desilusão,
já tive ilusão!

Ilusão
como um homem
que se dá,
usa boa fé,
sorriem-lhe,
é bestial,
e outras coisas tal!

No fim
olho à minha volta;
uns tantos sinceros,
outros simpáticos,
e o resto:
indiferentes
que respeito,
apenas respeito!

Serei sempre o mesmo,
com ilusões
ou desilusões!

José Manuel Brazão

Swan Hills - [Fernanda R. Mesquita]

A Swan Hills, nesta hora ainda adormecida,
onde o meu tempo por aqui acabou,
prometo num silencioso adeus, não será esquecida,
a sua calma forma de vida, que por mim passou.



Lugar, onde a terra mora mais perto do céu,
onde as estrelas tão baixas, parecem dançar,
lugar que em plenitude, à paz se deu,
onde o resto do mundo, parece não ter lugar.

O seu manto branco, em mim viverá guardado,
daquela que por um tempo, foi a minha cidade,
partirá comigo e será lembrado,
como um doce sonho, onde viverá a saudade.

Em passeios, com o frio e o amor de mão dada,
onde quase beijei e abracei a lua,
lugar onde ela, desce para ser olhada
e onde, tão imensa, se dá por vontade sua!

E aos segredos da floresta que a cercam,
peço para as minhas lembranças, em si guardar,
para que os meus passos, daqui não se percam
e um dia, eu possa, de novo cá voltar!

Fernanda Rocha Mesquita

Despertar das mágoas


Ficará impressa na alma
a melodia dos sonhos,
reflectidos…
em pesadelos,
no despertar…
das mágoas
nas longas manhãs perenes
sendo desfeitos…
em secas pétalas
nas longas fantasias ilusoras
perpetuando…
a peregrinação,
ao labirinto…
do meu maculado coração
que jaz na paz…
do símbolo que lhe idolatrei
tornando-me…
a saltimbanca,
dum amor que um dia…
desejaria que fosse meu.

Maria Valadas
Ficará impressa na alma
a melodia dos sonhos,
reflectidos…
em pesadelos,
no despertar…
das mágoas
nas longas manhãs perenes
sendo desfeitos…
em secas pétalas
nas longas fantasias ilusoras
perpetuando…
a peregrinação,
ao labirinto…
do meu maculado coração
que jaz na paz…
do símbolo que lhe idolatrei
tornando-me…
a saltimbanca,
dum amor que um dia…
desejaria que fosse meu.

Maria Valadas

É possivel acreditar no amor?


É decepcionante ouvir uma pessoa dizendo que não acredita mais no amor. Até chega a ser frustrante. Ou a pessoa que declara isso é uma total frustrada neste requisito.

Ainda acredito no amor, pois o amor é dividido em várias fases, e jamais o amor será igual, vivido das mesmas formas. Quando nos apaixonamos e estamos amando percebemos nitidamente que cada caso é um caso. Cada nova história de amor pode ser algo diferente, algo melhor, ou um amor inesquecível. Contudo, é triste ver que existem pessoas desacreditadas deste sentimento tão único, chamado amor.

Penso que cada um de nós tem que dar oportunidade para si, estar aberto para um novo relacionamento. Somente assim é possível acreditar no amor, pois o amor não se constrói na descrença.

Graciele Gessner


É possível acreditar no amor? EU ACREDITO!


Vai … e procura o que mereces…!


O caminho

andas a descobrir!

Vai…

não hesites,

percorre

sem olhar para trás!

Não estou aí…

Vai…

Acredita!

Vai…

o Sol sorri,

a Lua confia!

Vai…

Eu estou aqui…

… e procura

o que mereces…

Eu ficarei

como sempre, aqui!

José Manuel Brazão

Quando partires...



Quando partires...

Queres partir,
mas dizes com nostalgia.
Uso o espanto,
provoco o silêncio.

Penso
e compreendo!

Esse não era o caminho;
outro haverá!
Procura e luta.

Nada acontece por magia,
a Luz virá:
... quando partires
deixa-me o teu rasto …

José Manuel Brazão

Sonhadora disse...
Lindos poemas...feitos magia nas belas frases.

Sonhadora

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

For especial: A Vida


Aprendi na minha vida,
a amar distante e próximo!

Não sei distinguir
qual o mais intenso,
mas sei,
que basta ser amor,
para ser imenso!

Aprendi na minha vida,
a dar
sem nada pedir!

Darei a todos
pétalas de uma flor especial:
a Vida!


José Manuel Brazão

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Quem ama


Quem ama
não mente,
luta decentemente!

Só chora
e sente,
na procura
de ser gente!

Quem não luta
decentemente,
é porque mente
e não é gente!

Assim como
quem escreve
o que sente
e não mente!

Quem ama
decentemente,
vai à luta,
vai amar
eternamente!

Cristrina P. Moita

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Porque vivo em angústia?


Na sala de trabalho onde concentro o meu “mundo da criação de textos” muitas vezes dou comigo a reflectir com o que passa nos diferentes sectores da Vida: a ausência de paz, amor, tolerância, compreensão e tantos outros sentimentos…!

Fico triste, perplexo e chego à angústia!

Ao longo de muitos anos escrevia e usava palavras esperançosas, mas com tanto “caminhar” na minha vida já se me torna difícil de vestir as palavras de uma forma menos traumatizante e menos frustrante!

Sempre entendi que a minha missão de escritor seria a de levar até ao leitor temas de encanto, beleza, o amor verdadeiro e tudo o mais que após uma leitura a pessoa sentisse uma “terapia” para a sida diária!

Com a angústia que sinto no que vejo e ouço já tenho dificuldade de “despir o fato” do cidadão e ser um escritor “fechado” na sua missão de criador de ideias!

Tudo isto, porquê?

Pela tal angústia de ver um Mundo que não é o meu, mas que tenho de conviver com ele!

José Manuel Brazão

É caro amigo José Manuel o escritor é o porta-voz dos sentimentos das pessoas, do mundo. A realidade é crua e cruel, todavia, é preciso sempre acreditar que novos dias virão, ainda que o peso das intempéries sejam gritantes. Acreditar e fazer o nosso melhor sempre, pois nada no mundo importa (ainda que tudo desabe..) do que o amor que carregamos e transmitimos aos que nos cercam. E tu transmite isso pois és escritor na alma e no coração, queira ou não...Deus dá "asas" as mãos de quem Ele quer..hehe!! Parabéns!! Boa noite, um grande abraço,

Suziley.

Relacionamento virtual


Será que não sabemos mais o que é um namoro real? Será que perdemos a referência da troca de olhares, da paquera? O namoro virtual é febre, uma mania na internet. Porém, os sentimentos parecem ser reais demais, ciúmes, insegurança, distância, saudade... Sentimentos que corresponde um relacionamento real, mas que muitos vivem através de um monitor.

Chego a me questionar porque procuramos alguém pela internet, será por falta de opção? Será que gostamos de relacionamento que não tenha muito contato físico? São muitas perguntas que surgem em minha mente quando paro para pensar neste tal relacionamento virtual.

É tão virtual, que muitas vezes podemos estar sendo enganados. Sempre tem o esperto que se envolve com mais pessoas ao mesmo tempo. Pode ter certeza, isso ocorre sem sombra de dúvida. Então me pergunto, vale a pena viver uma relação virtual? Onde fica a autoestima? Onde fica a vida e os sonhos?

O namoro virtual ainda tem seus questionamentos... É preciso ficar atento, ter um bom faro quando quiser se envolver com alguém que não conhecemos. Ou então, fazer jogo duplo para descobrir se existe fidelidade.

Graciele Gessner

Viver - Lágrima


Viver

Existem momentos
de hesitações,
interrogações,
muitas interrogações!

Nem sempre
tenho resposta
ou solução!

Nem sempre
a voz do coração
me escuta
ou entende!

Aguardo
pelo amanhã,
com a esperança
que nem todos os dias
são iguais!

O ontem já esqueci,
o hoje estou a viver,
o amanhã está para nascer!

José Manuel Brazão


Lágrima

Quando penso
e penso em ti,
vem a lágrima,
lágrima teimosa,
por seres generosa,
uma pedra preciosa
a decorar o meu coração!

Quando penso
e penso em ti,
vem o sonho duma paixão,
sonhada, mas por viver!

Quando penso
e penso em ti,
vem a lágrima,
lágrima teimosa,
por ver
não estares ao pé de mim!

Apenas sonho
e vem a lágrima…

José Manuel Brazão

LISBOA minha cidade




Lisboa,
minha cidade,
onde nasci
e tenho vivido,
crescido,
aprendido,
ensinado
e criado
tudo aquilo que me deste,
até a liberdade,
que uns sabem usar
e outros abusar.
Quase toda te conheci,
de oriente
a ocidente,
mas há sempre um cantinho,
desconhecido
ou mal observado,
durante este caminho,
igual à minha idade.

José Manuel Brazão

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Como nos queremos amar!


Por um poema
que o sentiste
e não esqueceste,
nossas almas se juntaram
e nossos corpos se uniram!

Naquela noite
e juntos à lareira,
relemos o poema:
abraçaste
e beijaste meu corpo,
deste o teu para eu beijar
e rolámos pelo tapete do amor!

Teu corpo
manifestou o desejo
que andava escondido…
… entregámo-nos a ele,
que explodia…
há muito tempo…

Naquela noite
e com os corpos
exalando amor,
amor sem limites,
começou em nós
um amor sem hesitação,
com muita paixão
e um amor sem recuo!

Como
nos queremos amar!


José Manuel Brazão

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Amor além da vida - Amor da minha vida


Amor além da vida

Um homem
Uma mulher
Unidos por um mesmo querer
Por uma mesma vontade
Vontade de amar intensamente
Amar de verdade


Duas vidas distintas
Dois caminhos diferentes
Que unidos foram pelo destino
Que se apaixonaram loucamente


Um amor incomum
Que vence qualquer distância
Amor de alma
Amor distante

Amor grande
Gigante
Que cresce a cada instante

Ambos desejam amar
Se entregar completamente
Matar a vontade
Tirar do peito a agonia
Arrancar do peito a saudade
Saudades que sentem
Saudade sofrida

Um homem
Uma mulher
Sentindo
Vivendo
Um amor além da vida.

Nanda Costa


Amor da minha vida

Amo-te
como nunca amei!

O tempo passa
e no meu silêncio
amo a tua voz,
o teu pensamento,
o teu querer,
a tua paixão!

Vivemos
este amor ardente,
com admiração
um pelo outro,
com o desejo
de que o tempo pare
para nós saborearmos
este amor doce,
generoso
e carinhoso;
este amor único!

Seguiremos
nossos caminhos,
sempre unidos,
queridos,
como amantes
de uma só vida,
que nos uniu,
sorriu
e nos levará
até sempre,
ao pensamento
do meu e teu poema,
poema da minha vida,
da nossa vida!

José Manuel Brazão

Quase partias...


Vi
quase partires!

Falei
com a esperança,
chorei
e supliquei
por ti
pelas “rosinhas”
em crescimento.

Que seriam
sem ti?

A esperança
sorriu-me…

Nesta aflição
palpita o meu coração;
não quero que partas!

Não quero;
que levem a mim,
tão pronto, eu estou…!

José Manuel Brazão

Momentos da Vida em que nos damos a ELE por quem amamos!

Silêncio



Tão só me deixo
Enquanto o mar
Derrama o vazio

Aves mudas
Sem destino
Esvoaçam tristes

Tão só me deixo
Ao meu destino

…Silêncio

Vanda Paz

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Pombo com ternura e fome


Apetecia neste dia,

um passeio até ao Tejo

e pelo Terreiro do Paço

andei a pé.

Parei no terminal,

observando

aquela sala gigante.



Parando

junto de mim

um pombo habitante

daquela sala,

que debicava, debicava

e nada encontrava!

Chamei por gestos;

junto de mim parou.



Por largo tempo

não me deixou!



E olhando

aquele pombo habitante

de penas azuladas

e iris avermelhadas,

cheio de fome e ternura,

deixando

as minhas mãos dar-lhe mimos,

sem voar revoltado;

apenas um pombo esfomeado.

Fiquei agradecido

por este novo amigo.

Lembrei-me das crianças

que nas mesmas condições,

ainda têm forças

para nos lançar olhares de ternura

aguardando que nossos corações,

se lembrem

que elas existem.



No meu regresso

e tendo como despedida

olhares de ternura,

ainda me disse:

“Quando voltares

a esta sala gigante,

cá estarei

e ficarei junto a ti,

para descansares

e veres que ainda existo;

como pombo e amigo”.



José Manuel Brazão


O meu poema mais lido na minha vida de Poesia!


http://cpoesia.esenviseu.net/index.php?option=com_content&task=view&id=241&Itemid=1

Ana Coelho-José Antunes: seu livro "NUANCES"


Partilhamos convosco partes do prefácio escrito pelo Prof. Arlindo Mota

PREFÁCIO
Ana coelho e José Antunes: entre nuances, sonhos e cumplicidades

Ana Coelho e José Antunes, são dois autores com uma envolvente e genuína pulsão pela poesia. Na escrita e nos gestos, que de gestos também se constrói a poesia. Buscam com paixão e rigor o segredo das palavras, que renovam sem cessar. Parcimoniosos na utilização de metáforas, optam claramente por não assentar na metrificação clássica, salvo uma ou outra incursão, num ou noutro poema.

Conhecedores da herança lírica portuguesa, não se confinam ao formalismo e abordam a linguagem com criatividade, onde os temas do amor estão abundantemente presentes, mas também o psicológico e o social (sem cair no realismo) não são esquecidos e isso revela-se ao longo de todo do livro. A sua poesia, seguindo a moderna estética, constitui a verdade de um mundo sentido por uma subjectividade; o que ela diz é um mundo para o homem, um mundo visto de dentro, mundo singular e inimitável a que só o sentimento dará acesso.

Falei até agora dos autores como se fossem apenas um: eles de alguma forma a isso nos conduzem, porque se apresentam juntos, face a se face, porque o livro constitui para eles a sagração dessa comunhão. Mas, em boa verdade, se muitos traços os identificam, outros os distinguem. Ana Coelho navega mais suavemente nas palavras, é, de algum modo, o lado assumidamente feminino do livro; José Antunes, de escrita comedida, apresenta mais arestas na leitura e na interpretação da sua simbologia. Comum aos dois, a contenção vocabular e arredia da adjectivação excessiva, que torna a sua poesia rigorosa e límpida, dotada de uma invejável coerência interna.

O livro, por sua opção, apresenta-se dividido em cinco capítulos: “Momentos”; “Trincheiras de Sonho”; “Distâncias”; “Lampejos”; “Cumplicidades”.


Janeiro de 2010

Arlindo Mota*

Com a alma rendida

Desnudo o tempo
No néctar do teu corpo
Sumário momento
Que a tez sossega…

Os dedos tacteiam
Nas cerejas frescas da tua boca,
O aroma húmido
Onde bebo no teu cálice
Servido em rubra pigmentação…

Com a alma rendida
Na secreta harmonia
A epiderme vestida
Do doce clamor
Que embala as madrugadas
Em alvorada de mimos e ternura…

Devaneios do nosso vasto tempo
No amor que se faz cumprir
Em espíritos congénitos
Cadência pendular do provado amor…

Ana Coelho



Muito sucesso para Vós

Beijo e Abraço do


anacoelho disse...
As palavras são o que delas fizermos, os gestos são eternos...
Um beijo de gratidão um abraço do José

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Triste... flor triste!


Passeio
pelo teu jardim,
quando preciso
de repensar
momentos da vida,
onde procuro a razão!

Olho
todas as flores
e lá estás
num canto
feito para ti!

Gostas
de te fechar em ti!

Não aproveitas
o Sol que te ilumina
e assim te chamo:
Triste…
flor triste!

Mas
num destes dias,
venho
Com um carinho,
por este caminho,
paro,
olhas para mim,
sorris
e eu feliz,
não te chamarei:
triste…
flor triste,
mas
a rosa viçosa
do jardim do encanto,
jardim de todos os dias,
que me restam…

José Manuel Brazão

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010



Beijo solidário de todos os Colaboradores deste Blog

Vamos Ajudar a Catarina


Olá!
Sou a Catarina Guedes Lopes, tenho 5 meses e preciso de um transplante de medula.
Preciso da vossa AJUDA: divulguem ou sejam voluntários, apenas não fiquem indiferentes!
As condições são: ter entre 18 e 45 anos, mais de 50 Kgse não ter feito nenhuma transfusão de sangue desde 1980.
Se não for para mim, quem sabe o Afonso, a Teresa, ou o Kikopossam ser os felizardos…. Não nos ignorem! A Carmenjá conseguiu!
Hospitais onde se podem dirigir:
Hospital CurryCabral
2ª a 6ª Feira
8.30 -15.31 h
Hospital de Abrantes
3ª e 4ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital de Évora
2ª a 5ª Feira
9.30 -15.00 h
Hospital de Beja
2ª, 3ª, 5ª Feira
9.30 -12.30 h
Hospital de Beja
2ª, 3ª, 5ª Feira
14.30 -16.00 h
Hospital de Portalegre
2ª a 6ª Feira
8.00 -13.00 h
Hospital de Tomar
3ª e 4ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital de Torres Novas
3ª e 4ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital do Barlavento Algarvio
2ª a 5ª Feira
14.00 -15.30 h
Hospital do Litoral Alentejano
3ª e 5ª Feira
9.00 -12.00 h
Hospital Dona Estefânia
2ª a 6ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital Fernando da Fonseca
4ª Feira
8.00 -20.00 h
Hospital Fernando da Fonseca
5ª Feira
8.00 -13.00 h
Instituto Português de Oncologia
2ª a 6ª Feira
9.00 -16.00 h
Serão divulgados, sempre que forem marcados, os locais, datas e horas, onde as Brigadas do Centro de Histocompatibilidadeestarão para recolha de sangue.
Obrigada!
Catarina G L
Contactos:
Vera Guedes: 926815871
Augusta Guedes: 965128993
Laura Guedes Gouveia: 966339229



Beijo solidário de todos os Colaboradores deste Blog

Vamos Ajudar a Catarina


Olá!
Sou a Catarina Guedes Lopes, tenho 5 meses e preciso de um transplante de medula.
Preciso da vossa AJUDA: divulguem ou sejam voluntários, apenas não fiquem indiferentes!
As condições são: ter entre 18 e 45 anos, mais de 50 Kgse não ter feito nenhuma transfusão de sangue desde 1980.
Se não for para mim, quem sabe o Afonso, a Teresa, ou o Kikopossam ser os felizardos…. Não nos ignorem! A Carmenjá conseguiu!
Hospitais onde se podem dirigir:
Hospital CurryCabral
2ª a 6ª Feira
8.30 -15.31 h
Hospital de Abrantes
3ª e 4ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital de Évora
2ª a 5ª Feira
9.30 -15.00 h
Hospital de Beja
2ª, 3ª, 5ª Feira
9.30 -12.30 h
Hospital de Beja
2ª, 3ª, 5ª Feira
14.30 -16.00 h
Hospital de Portalegre
2ª a 6ª Feira
8.00 -13.00 h
Hospital de Tomar
3ª e 4ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital de Torres Novas
3ª e 4ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital do Barlavento Algarvio
2ª a 5ª Feira
14.00 -15.30 h
Hospital do Litoral Alentejano
3ª e 5ª Feira
9.00 -12.00 h
Hospital Dona Estefânia
2ª a 6ª Feira
9.00 -13.00 h
Hospital Fernando da Fonseca
4ª Feira
8.00 -20.00 h
Hospital Fernando da Fonseca
5ª Feira
8.00 -13.00 h
Instituto Português de Oncologia
2ª a 6ª Feira
9.00 -16.00 h
Serão divulgados, sempre que forem marcados, os locais, datas e horas, onde as Brigadas do Centro de Histocompatibilidadeestarão para recolha de sangue.
Obrigada!
Catarina G L
Contactos:
Vera Guedes: 926815871
Augusta Guedes: 965128993
Laura Guedes Gouveia: 966339229

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Por ti


Por ti
conquistarei
o Sol, a Lua,
a Vida!

Por ti
serei alegre,
romântico
e generoso!

Por ti
encontrei a Luz,
a paz,
a harmonia,
a serenidade!

Por ti
conquistei a felicidade!

José Manuel Brazão

Dedicado à minha Amiga Marcia Grossi que tocou o meu coração com as suas palavras!
Beijos Marcia


Sabe poeta, não sei os motivos que te levam a tomar essa atitude de nos deixar, mas queria muito que ficasse, que permanecesse aqui para encantar nossos olhos e coração com seus texto, vc me disse num ultimo comentário, não desista... pois então, digo o mesmo,as vezes dá vontade de jogar tudo pro alto, abandonar sonhos, nos trancar dentro de nossa solidão, mas a vida lá fora precisa do brilho que sai da nossa alma, algumas pessoas dependem desse brilho, e seu brilho é intenso, adoro seus blogs, seus textos, e não quero nunca que saia ou deixe de escrever, vc é especial, beijokas...

Marcia Grossi

A quem o dedico só podia ser um poema carinhoso, porque foi das pessoas que nos últimos tempos me fez pensar muito, em 24horas! A minha Vida continua....

Procuro a felicidade...


Durante esta passagem pela Terra que a tenho procurado, mas não a tenho encontrado e muito menos conquistado. Já cheguei a pôr em dúvida a sua existência ou que se tratasse duma miragem, dum mito!

Lendo recentemente pensamentos de humanistas que sempre admirei, parei e reflecti sobre alguns:

“Não existe caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho.”
(Mahatma Ghandi)

“Nosso cérebro é o melhor brinquedo já criado: nele se encontram
todos os segredos, inclusive o da felicidade.” (Charles Chaplin)

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.” (Francisco Cândido Xavier - Chico Xavier)

Procuro na utopia … ser feliz

Procuro sonhando
o que não encontro acordado.
Sonho com a vida
que me falta conhecer;
Sonho com as pessoas
que amo em silêncio
e que quero ajudar:
amando!
Sonho com as pessoas
que me ouçam,
me entendam.
É bom sentir-me vivo,
olhando para trás
e vendo
que não posso viver
um novo começo,
mas que posso viver
um novo fim.
Procuro na utopia,
a esperança
de ser feliz,
serenamente …

José Manuel Brazão
22.04.05


Esta vida que é um caminho percorrido por nós com muito erros, muitas distracções e, pior que isso, com invejas, intolerâncias, ódios que não contribuem para a paz e harmonia entre os Homens e, consequentemente, no Universo.
Nesta fase da minha vida resta esforçar-me por conhecer melhor o caminho (Ghandi), tentar descobrir o segredo ( Chaplin) e fazer um novo fim (Chico Xavier) e continuar a conquistar momentos felizes.

Momentos felizes, sim!

José Manuel Brazão


Felicidade não se compra, se vive. A felicidade da alma só vira mercadoria se a necessidade falar mais alto que a própria filosofia de vida.

Viver a alegria de uma felicidade é saber viver o momento presente de maneira intensa e despreocupada.

Viva a felicidade dos momentos porque os altos e baixos sempre batem a porta da nossa vida.

A felicidade nem sempre se encontra em grandes revoluções, e sim, em pequenos gestos: seja ele num lindo sorriso; num confortante abraço de consolo, de carinho, de amor, de saudade; numa conversa amistosa; seja num conselho, num silêncio de um olhar de admiração; o reencontro com uma pessoa distante; num telefonema inesperado.

Desejo que tenha uma vida recheada de felicidade!"
Fique na Paz!!!

Graciele Gessner

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Sou tua


Sou tua
Em noites de lua
Quando as estrelas enfeitam o céu
Sou tua
No mar
A mergulhar nesse amor que aporta em mim
Sou tua
No deserto
Num momento incerto
De amor ou solidão
Sou tua
No teu corpo que minhas mãos percorrem
Sou tua nos segundos
Nos minutos
Nas horas
Sou tua nos beijos
Nos desejos
Sou tua nos sonhos
Na magia
Sou tua poesia...

Marcia Grossi

Por um sorriso que é teu...


Pensas em mim,
sentes-me
e compreendes-me!

Teu olhar,
carinho, ternura,
guardo no meu coração!

Dia
em que não falemos,
não é dia!

Na nossa vida,
não existe noite (escuridão).
Apenas Luz,
muita Luz!

Quando não dormes,
eu acordo.
Quando estás triste,
sinto tristeza!
Quando estás alegre,
sinto muita alegria!

Quando dizes:
Amo-te,
sinto amor,
muito amor…

José Manuel Brazão

Por um sorriso que é teu, na Vida compreendemo-nos!


Tatiana disse...
O sorriso de quem amamos tem o poder de iluminar o dia!
Adorei o poema!
Um beijo carinhoso


Sonia Schmorantz disse...
Se um sorriso por si só já é uma bênção,
imagina o sorriso da pessoa amada...é quase céu.
abraço

Nada melhor que um sorriso de amor
num universo paralelo de sentimentos.
Beijos
Ana Coelho

Gostando de você!

O gosto gostoso do gostar...
... mais gostoso quando correspondido.


Ele flechou aquele coração valente e teimoso. Fez daquele órgão um refém do sentimento exposto a ela. Tudo o que foi dito, tudo que foi feito mexeu com ela. Ele não imagina a transformação, não tem ideia do quanto ela se sente atraída por ele.

Ela ainda não declarou os seus sentimentos. Ela ainda não se sente segura para manifestar que esteja envolvida, que está gostando dele. O que ela deve fazer? Procurá-lo? Revelar as suas aflições? Na altura dos acontecimentos, este sentimento já virou dor, pois está angustiada.

Este gostar parece ultrapassar o sabor do mero gosto do gostoso de gostar. Parece-me mais enamorada, embriagada pela paixão e prazer. Um sentimento que predispõe a desejar, uma dedicação absoluta por quem ainda não conhece direito.

Ele não sabe, mas ela nota diferença em suas ações. Sente-se completamente apegada, numa afeição de amor. Ela está caída de amores por ele e não sabe como reagir perante este desconhecido sentimento.

Enquanto ela pensa que está gostando dele, nós já sabemos do que se trata. Sabemos perfeitamente que ela está amando. O amor não conhece fronteiras, nada pode impedir, pois quando se ama até os obstáculos se tornam pontes para unir duas almas.


Graciele Gessner.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Pobre Poeta ... do amanhã!


Escreve
como se sonhasse,
se vivesse
num mundo de encanto,
de ternura e amor!

Escreve
para alimentar a alma
de quem o lê,
recebendo
gestos de amor!

Escreve poemas
para aliviar os dilemas;
os seus
e dos outros…

Se não escrever,
morrerá a alma do Poeta,
ficando apenas:
um homem,
uma vida
e um pobre Poeta
agonizante…

Apagam-se as luzes…
Mas ficou a honra
e os seus poemas!

José Manuel Brazão

Reflectindo sobre o ser poeta ou versejador


Quando leio um poeta, que se serve de expressões que nada significam, ou que compõe de sorte que o não entendem, assento que não quis ser ententido/a
, e em tal caso, procuro fazer-lhe a vontade, e não o leio. Faço o mesmo com os labirintos e enigmas, os quais nunca me cansei
a decifrar. Quem os faz, que se divirtam com isso. Se todos assentassem neste principio, ver- se -ia como mudava a poesia. Porque seriam
obrigados os poetas a lerem somente as suas obras, e assim, ou se desenganariam eles mesmo com o tempo, ou enganariam os outros e
poder-se-iam achar poetas de algum merecimento, principalmente se chegassem a conhecer quais são os requisitos necessários para a poesia.

A razão destes inconvenientes é porque se persuadem completamente que, para ser poeta, basta saber a medida de quatro versos e saber
engenhar conceitos esquisitos. Quem se funda nisto não pode saber nada. São necessárias muitas outras coisas. É necessário doutrina e entender bem as matérias que se tratam. É necessário a filosofia e saber conhecer bem as acções dos homens, as suas paixões, o seu carácter, para as saber imitar, excitar e adormecer. Aqui entra a retórica, que supôe todas aquelas coisas, entra um pouco de história para não dizer parvoíces e entra a história da fábula, etc. Tudo isto se mostra manifestamente nos melhores poemas que temos desde a Antiguidade até à actualidade. E digo de poetas modernos e insignes. Onde, quem não tem estes fundamentos é versejador, ( como eu) mas não poeta.

Maria Valadas

Amar também é rir e brincar...




Um dia sem eu querer
vi o meu coração roubado,
senti o amor nascer
como num sonho... nunca sonhado!

Alguém em mim sussurrou,
sou eu... o amor verdadeiro!
E nesse momento me aprisionou
de um modo tão sorrateiro.

Sem nunca desistir
com tanta força se deu,
como podia eu fugir
se o meu coração já era seu.

Em marés fortes nos debatemos,
dias e noites desencontrados,
de sonhos e esperanças já vivemos,
que recordamos hoje abraçados!

E agora tão juntinhos
rimos do passado a brincar,
do tempo em que sózinhos
tínhamos vontade de chorar.

Se o malmequer é num jardim
a minha flor preferida,
na vida tu és para mim
a flor por mim escolhida.

É para ti meu amor
o amor que em mim palpita
neste malmequer em flor,
enfeitado com uma fita!




Fernanda Rocha Mesquita

Tu sabes que mesmo a brincar eu gosto de dizer: eu te amo!

Porque não vives?


Mulher sorridente,
doce,
de amor ardente,
porque não vives?

Tens medos,
hesitações;
agarrada ao passado,
que já passou!

No presente
liberta as amarras
que trazes contigo
e dá-te à Vida!

Mostra
que tens muito amor
para dar
e queres receber
de quem te compreenda
e te ame!

Mostra
que não queres o Outono
na tua vida
e esperas florescer
com uma primavera
de muita flor,
de muito encanto!

Mostra
que queres viver…

José Manuel Brazão


Um poema que criei há uns anos e fico feliz quando na Vida já não existem motivos para o ter escrito!
Vida feliz para ambos!



O som do amor



Ele bate devagarinho
Mudo!
Fala baixinho…
Sem violino nem violoncelo
Escuta…
Ele fala apertado
Toca!
Como um tambor…
A fazer musica
Embala singelo
Leve!
Como uma pena
Liberta o peito…
No silêncio mais terno

Cristina P. Moita