Outros Blogs do meu grupo:

domingo, 20 de maio de 2012

OLHARES


E não se encontrava mais
naquela cidade, na multidão
no vento frio que arrastava as folhas do outono
e vieram outros invernos...
Percorriam...
                     Vasculhavam...
                                           Desnudavam...
                                                                 Julgavam...
E olhavam... Acusadores...


Só um olhar incomodou:
Justo o que se calou..
Olhou...
           Deduziu...
                          Julgou...
                                       Condenou...


E tudo que amava  era aquele outro olhar:
Terno...
              meigo...
                             carinhoso...


Os olhos da cidade pouco importavam
Aquele olhar calado era um mundo inteiro.


 Sueli Rodrigues

1 comentário:

Sueli Rodrigues disse...

Essa poesia Zé é uma das mais enigmáticas que já escrevi. Obrigada por compartilha-la com seus leitores.
Su