Outros Blogs do meu grupo:

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Navegante


Nada sei desse sentir que hora abrigo noutra abismo.
Sei apenas das ânsias de quando navego no mar da vida,
entre tempestades e calmarias,
entre a fúria de um furacão ou na beleza de um arco-íris.

Sei tão pouco dessas borboletas que sobrevoam meu estômago,
dessas tonturas quase torturantes e sem sentido
que encontro no sentir mais enlouquecido,
do amor que por mim ainda é tão incompreendido.

Talvez eu saiba apenas manter as velas hasteadas,
não me preocupando muito com o rumo,
deixando apenas o vento ditar o caminho,
desse coração apaixonado em desalinho.

Nesse verdadeiro sentir, não imponho regras,
tão pouco razões ou conclusões.
Sinto somente, navego só (mente.)
Sem leme, sem planejar a direção,
guiada pelo coração, levada pela emoção...

Sendo o amor a imensidão.

Anna Carvalho
em participação especial