Outros Blogs do meu grupo:

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Família

Falar de família, é não falar de muitos, é apenas falar da minha mãe e de pessoas amigas. Não tive o privilégio de ter uma família convencional, mas tive uma mãe capaz de educar uma filha que pudesse enfrentar o mundo.


Dias atrás, perdi uma tia que tive pouco convívio, mas que me aproximei sem pedir licença, sem falar nada para a minha mãe. Queria evitar mais problemas na família, que por hora, anda em guerra desde que o meu avô materno faleceu. Bem, qual é a família que não se estranha? Sempre tem uma guerra, um mal-entendido que ninguém dá o braço a torcer para rever os motivos.


É por estas e por outras que escrever sobre família, é como se tivesse dando um tiro pela culatra. Ao menos sei que a minha parte fiz. Se necessário, sempre farei o que for possível. Obviamente, hoje tenho a minha própria personalidade, os meus ideais, e se precisar ignorar qualquer parentesco que não faz nenhuma diferença, eu ignoro. Pois, aprendi que não sou saco de pancada para ficar levando soco de quem nunca esteve ao meu lado.


A família para mim é a minha mãe e as pessoas que tenho apreço... Na falta da família, procuramos substitutos. Sem falar das famílias adotivas que fazem um importante papel na sociedade quando pais irresponsáveis abandonam seus filhos. É claro, que nesta eventual “fatalidade”, sempre terá os dois lados da história.


Falar da família é mexer no íntimo de cada pessoa. Família é um alicerce intocável em muitos casos.



Graciele Gessner

1 comentário:

Jailda Galvão Aires disse...

Graciele, poucas pessoas na sua idade escreveriam sobre a família. Gostei do seu jeito de escrever embora de forma triste como um lamento. Família é assim mesmo, um pouco complicada mas o amor fala mais alto.
Tenho uma filha chamada Graciela, tem + ou - a sua idade.
Continue escrevendo coisas alegres como pede a sua idade.