Outros Blogs do meu grupo:

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Tudo se resume a nada

Incompreensível é a voz
Que vive no fundo de mim
Vinho derramado e quente

Inquieto é o sabor
Do próprio pensamento
Mãos fugazes e ausentes

Tudo se resume a nada
Ao nada que persiste
Ao nada que faz o caminho

Que se agiganta
Que não para
Que não termina.

Vanda Paz


Sem comentários: