Outros Blogs do meu grupo:

sábado, 26 de outubro de 2013

A palavra prometida

A palavra soltava-se
Dos paladares mais amorfos
E os versos
Não tinham contemplações
Nem receios
De cada raiz do medo
Que fecundasse o âmago da sujeição

A palavra era a razão
A verdade
Em condimentos de sabedoria
E inquietação

A cada nova lua
Que ilustrava o pleno céu
A palavra vertia significados
Às vezes de sabor amargo
Outras
Deliciosamente doce

E em cada poema
Que o poeta escrevia
Um novo sabor
Ambientava
Os semblantes de todos os leitores
Em busca da ementa da perfeição

Aí o poeta
Elevava a voz digestiva
No anseio de descobrir
Novos paladares
Outra plenitude
Para futuras degustações
Da palavra prometida


António MR Martins