Outros Blogs do meu grupo:

sábado, 30 de novembro de 2013

Aprisionada pela vida

À distância, o desencontro,
Promovem esta terrível saudade.
Sinto um desejo não revelado,
Tenho um sentimento descontrolado.

Desejo estar contigo numa eterna vida.
Ao seu lado descobri o verdadeiro significado do existir.
Não consigo suportar a solidão, isolamento;
O meu coração suplica por sua presença.

Eu não resistirei, não suportarei;
Penso nas possibilidades deste amor.
Sei que vivemos em mundos distintos,
Mas acredito no encontro das almas.

Lá fora, chove neste instante.
Surgem os obstáculos não planejados.
O telefone toca desesperadamente,
Atendo, é você me questionando.

Momentos de silêncio, paralisação das falas.
Estou sendo controlada, não posso responder.
Fiquei frustrada pelo fato de não ter a liberdade.
Apresento-me prisioneira, encarcerada pela vida externa.

Até quando aguentarei tal pressão psicológica?
Sinto-me aprisionada pela vida externa.
Alegro-me com a liberdade de viver internamente,
Mas quero explodir os meus reais sentimentos.

Graciele Gessner


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Saudades de lá

LAR

Senti saudades de lá...
Lá! Tive infância,
sonhos adolescentes,
e a pureza de acreditar...
Senti saudades de lá...
fiz a viagem de volta,
deparei com a nostalgia,
brinquei com a alegria,
chorei de saudades...
Lá!
Lugar da minha felicidade...


Su Simon

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Momentos

Das palavras que nunca serão ditas
Das letras que nunca serão  escritas
Das vozes que nunca serão ouvidas
Dos olhares distantes
Das lágrimas vertidas em silêncio
Dos nós que estrangulam a garganta
Do corte... da dor...
Da cicatriz que ficou...

regina ragazzi

domingo, 17 de novembro de 2013

Ainda espero

ainda espero
a dobragem do caminho
amplo e aberto
em que se fazem as visitas a tantos
campos alheios a descoberto

ainda espero a nova fórmula
do desejo prometido
onde se vertem as saudades
do último encanto adormecido
entre o duro sofrimento
de uma morte
jamais aliviada

ainda espero o iluminar
coerente e intenso
que faça desenvolver novos pretextos
inovadores num transitar repleto
de inquietação
mas virtuoso nos seus desígnios

ainda espero o que nunca alcançarei
como num sonho imaturo
desmedido
tão imaginário
na réstia da moldura visível
que se afronta ao meu olhar
a cada segundo intemporal
de um tempo incontável

sem reveses
sem contemplações
sem palavras
em silêncio

ainda espero

António MR Martins


sábado, 16 de novembro de 2013

Face a face

FACEBOOK


Percorrer as faces
Navegar nos feeds
Há sempre novidades.


Novos amigos, velhos amigos.


Amigos próximos
Amigos distantes.
Amigos que acabamos de encontrar na rua
Amigos que não vemos há anos.


E assim: nesse cara a cara
Navegar em pensamentos
Brincar, brindar, curtir, compartilhar.
Diversão virtual.


Estampados na rede
Todo tipo de sentimento
Amor, paixão, raiva ...
Esperança...
Ilusão, ilusão, ilusão...


O passado, às vezes, escancarado
Os segredos,  nas entrelinhas.
Face a face com o livro da vida.


E segue navegando...
Ás vezes: mansas são as águas
Outras: traiçoeiras, elevam a maré,
Faz subir o nível do mar.


Neste mundo virtual cheio de mistérios.
Novidade para uns
"Cavalo Marinho" para outros.


O livro da face
Minha, sua, nossa face
Sempre aberto.
Não admite um piscar de olhos
É o mundo mudando a cada momento.


Su Simon

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Ao som da tua poesia

Existe um punhado de palavras soltas
Que deixam um silêncio enternecedor no meu peito
Palavras que se entrelaçam nas tuas
Deixando o verso completo e o poema cheio de nós

Solta-me o silêncio da palavra e canta!

Existe um fio de pensamento que me inquieta
Que se entende para lá daquilo que pressinto
Pensamento que se salva num poema teu
Libertando-se na lembrança de quem sou

Inquieta-me o pressentimento de não ser quem fui…

Existe um calor nas minhas mãos pela vontade de escrever
Que seca por um receio, um abismo, um passado qualquer
Calor que cresce ao som da tua poesia
Mãos que acolhem os versos de outrora com  alegria

Renascem-me as mãos pela vontade de escrever ao som da tua poesia.

Vanda Paz



Ah, alma!!!

Ah, alma!!!
Onde queres me levar
nesses passos bêbados
Tentas me enganar
mas eu percebo
Ainda há vestígios
de lucidez em mim

Ah,alma!!
Este caminho eu já conheço
Por seguí-lo  paguei um alto preço
Vejas as marcas que eu tenho
desenhadas em mim

Ah, alma!!
Não sejas teimosa assim
Não insistas, não confio mais em ti
Me deixa seguir outro caminho
Meu destino é caminhar sozinho
E esquecer do coração que bate aqui!


regina ragazzi

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

É fruto do amor

Quis te encontrar,
que viesses até mim
e confessaste
que já lias a minha Poesia
há muito tempo!

Aí começou o desejo
de nos cruzarmos na Vida
e a Poesia nos juntou!
Vi logo em ti
uma Mulher e uma Poeta
diferentes na palavra da Vida
e na Poética!

Naquele momento
aproveitámos todos os instantes
que estavam em nós,
onde muitos conquistámos
e outros nos fugiram!

Foste a Mulher
que me compreendeu melhor
e eu fascinado vivia cego de amor
e nem tudo via em ti!

Só mais tarde
vi quanto me querias,
quanto precisavas de mim
e o tempo corria,
e nós deixámos o tempo
ser tempo e levar-nos com destino!

Hoje com o tempo já distante,
lamentamos e perguntamos,
porque estamos no coração
um do outro,
que nos lembramos para sempre,
mas trataste tão bem o fruto do amor
com quereres e sentires
e eu não fui merecedor de o provar!

Só me resta pedir o teu perdão
por não estar junto
duma Mulher e Poeta iluminadas
e uma Psicóloga da Alma;
deixa-me guardar no meu coração,
esse fruto do amor
que o conservas ainda são!

José Manuel Brazão


Porque tudo que é fruto do amor
Significa para mim pura emoção.


Luciana Silveira


Amo-te

Amo-te na tua essência.

Das palavras francas.
Forte na luta pela vida.
Fragilidade diante da rejeição.
Sinceridade da entrega.
Desejo de amar e ser amado.


No outono rigoroso te  encontrei,
me deu calor nos dia frios.
Cobriu de flôres minha primavera.
Vivemos todos os dias como num sonho.
Abro meu coração e deixo fluir os mais puros sentimentos
que alimentam e acalmam minha alma sofrida.
Nos seus braços me entrego sou mulher.

Vivo assim com sorriso nos labios,
olhar apaixonado.
Me perguntas até quando.
Não sei.
Vamos viver esse amor,
um dia de cada vez.


Dirce Maria
participação especial

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Todo o tempo é tempo de amar-te

Todo o tempo
é tempo de amar-te!

O tempo
passa por nós
e neste amor fascinante,
não damos por ele!

Só nos lembramos
desta paixão ardente,
que nos une
num silêncio alucinante,
de loucura
por tanto amor!

Todo o tempo
é tempo de amar-te!

Entrego-te
o meu corpo, a minha alma
enquanto a minha vida
for tempo…

José Manuel Brazão

sábado, 9 de novembro de 2013

Intenso amar

SAUDADE!

Onde anda meu amor?
Deixou um rastro frio
Uma desilusão no peito...
Vestígio de tristeza no olhar

Cadê meu amor?
Não deixou recado
Não disse uma palavra
simplesmente desapareceu...

Aonde andará meu amor?
Estará contando estrelas,
passeando sobre telhados
ou envolvido em outro abraço?

Em que lugar estará meu amor?
Tão intenso! A saudades no peito dói,
mas o desejo de vê-lo feliz é mais forte...
Ficará em paz?

Su Simon

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Sorriso cansado

Pressinto e sinto que procuras confusa o teu caminho. Ias bem nele, mas de repente achaste que devias seguir por aquele atalho.

Pensavas que era a estrada do teu amor pela vida!

Após algum tempo percebeste que não era o caminho indicado. Tinha muitos obstáculos que se tornavam em contrariedades e em perigos …

Sentaste-te à beira do caminho e pensaste no passado recente.

Lembraste-te da tua gaivota amiga, que poisava sempre no teu ombro, aconselhando-te tudo de bom para ti.

Um dia lembraste-te de a desafiar, afastando-a, porque achavas que era melhor para ti. A gaivota ficou triste, não voltou a poisar no teu ombro!

Pensavas que ela só percebia de mar, mas ela já tinha voado muito na vida!

Ficou triste e, hoje, já pouco voa; apenas o bastante para ajudar outros que acreditam nela.

Notas a sua ausência e a necessidade de ajuda. Não te apetece sorrir como era costume.

Sentes o teu sorriso cansado!

Ganha forças porque os erros são lição de vida!

Agarra-te à Vida!

Com humildade em reconheceres que a vida ,nem sempre é alegria, hás-de voltar a sorrir e a a gaivota voltará a poisar no teu ombro!


José Manuel Brazão

sábado, 2 de novembro de 2013

Dom... dom... dom...

Meu irmão tinha um violão
Não!
Um violão tinha o meu irmão
Ficou pior!!
Eu tinha um irmão que tinha um violão
Tá quase...
Eu tenho um irmão (ou será que não?)
Que tinha um violão...
Deixa assim...

Naquele tempo, a gente sentava na escada de casa
com alguns amigos
E enquanto ele dedilhava, a gente cantava
Alguns bebiam, outros fumavam
A maioria bebia e fumava
Eu não bebia, nem fumava... só cantava

Eram noites lindas de lua e estrela
Éramos tão jovens e cheios de sonhos
Ficávamos ali até de madrugada
Envolvidos pela música, pela lua, pela brisa
Só isso nos bastava

Naquele tempo, eu não gostava de poesia
Eu já gostava de escrever, mas nunca poesia
Mas ela já estava em mim
Naqueles versos que eu ouvia e que me encantavam
Naqueles acordes...
Talvez se tivéssemos continuado nos reunindo assim
Certamente a poesia teria se aflorado mais cedo em mim
Mas...
Um dia o violão ficou mudo...
Não!
Meu irmão ficou mudo
Também não
Acho que a nossa cantoria estava incomodando 
alguém lá de cima
Então, eu não sei, 
Esse alguém desceu e ao invés de levar o violão
levou meu irmão...
Nesse dia não tinha lua, nem estrela
Caiu uma chuva forte
Acabou a nossa alegria

O violão foi passando de mão em mão
Mas ninguém conseguia tocar nele
com a mesma melodia
Apesar dos acordes serem os mesmos...

Depois disso, já vieram e se foram
muitas noites enluaradas
Mas nenhuma como aquelas...

De vez em quando olho lá pra cima 
e ouço um cântico lindo
Acho que o levaram por isso...

regina ragazzi

Sinto-te feliz!

Quando aproximas
de mim
e nossos corpos se abraçam,
sinto-te feliz
esquecendo o passado
que é passado
com o presente a ser vivido
e um futuro para provir!

Em cada dia
um novo amanhecer
com o Sol a despontar
e a Lua a contemplar!

Sonhos se realizam
pelos teus anseios
em que acreditas
e sorris
pela Luz que te ilumina
neste novo caminhar,
que desejamos infinito
e com o horizonte por alcançar!



José Manuel Brazão

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Disfarce

Em minha aparente nudez vou enganando a vida
Estou vestida de medos e angústias
Barreiras, escudos que criei e que me protegem
Posso até ser tocada, mas nunca invadida
Sou bicho arisco, me encolho toda quando acuada

Há uma porta invisível em mim que nunca se abre,
só quando eu permito...
Ainda assim tenho feridas que não cicatrizam
Elas ficam em mim como um aviso, um alerta
E se por qualquer motivo eu me arrisco,
 elas me sangram,me doem...então eu desisto
E assim aparentemente me dispo.


Regina ragazzi

Um beijo de quero mais


Um beijo que só ele foi capaz de dar... Um beijo que faz sonhar! Um beijo que tira o fôlego, que leva perder a razão, que nos faz refém da situação. Um beijo de sedução que nos transporta ao céu, que aflora os desejos mais ocultos.

... Aquela boca sim, aquela em especial é capaz de dar aquele beijo com gosto de quero mais! Só beijando aqueles lábios para entender a tentação contida nesta trama.

Graciele Gessner


[----]


Todos os dias
penso em ti,
como se estivesses aqui!

Anseio
por este amor
um amor em palavras,
como se fossem
cartas de amor!


Um dia
neste convívio lindo,
beijámo-nos,
muito…
…sentimos prazer,
olhámos fixamente
e sem palavras
mas com um olhar
de mil palavras!

Aquele beijo
será sempre
aquele beijo…

José Manuel Brazão