Outros Blogs do meu grupo:

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Um canto


Voar alto
viver em um salto
amar molhado
cheirando a chuva
em um quase extase
de delícias e doces..

.vida.

mesa cheia de odores
projetando sabores
nunca esquecidos
de pele
de toques
de muitos
e tantos..

.amores.

Ingrid Caldas

E sou tua...


E sou tua,
Teus olhos ganharam os meus
Cativaram meu gosto
amaram meu corpo

Encontrei em tua boca
a paz que sonhei um dia
em tua alma
o reflexo da minha

Eternamente tua,
amante de teu sorriso,
enamorada de teus olhos
Amor em tua vida!


Anna Carvalho
em participação especial

De(pressão)


OI
O dia amanheceu triste
Nem ouvi os passarinhos cantarem
O sol apareceu,mas meu coração está frio...
sentindo um vazio profundo...
A boca está amarga
Aquele pudim de morango?
perdeu o gostinho gostoso
e o perfume do toque de amor...
E eu saboreava-o ...
Tanto, tanto, tanto...
O amor/amigo saiu de cena
Nem quis saber se me feria
e agora, fico perdida ...
em meio de nuvens cinzas...
Não honrou a paixão escancarada
não se importou com as súplicas...
Deixou um rastro de
sonhos de amor pelo caminho
e não adianta bater à porta...
o rastro é apenas um fio de pó
marcando um destino...
Ah! Nunca mais o Oi terá
o gosto gostoso do riso
de outras manhãs...

Sueli Rodrigues

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Lindo blue


Olhei pela janela,
Fiquei maravilhada com sua beleza!
Sorrindo te vejo límpido;
Céu azul, tu eis magnífico!

Azul alegra meu coração,
Transpira tranquilidade.
Paz que não se encontra,
Azul de meu sonho neutro.

Por onde passava?
Existem aqueles dias...
Nuvens cinzentas que nos escondem.
Quando damos o ar da graça
O sol radia brilhante,
O azul fica lindo espetáculo!

Graciele Gessner.
02.05.2006

Falando de Outono


Então ele chega, silencioso e frio
E já me veste de nostalgia
E já me despe das flores
que em  meus olhos floriam
Pinta de cinza toda a paisagem

Então ele chega e me abraça inteira
E profundamente invade minh'alma
Eu o recebo, passiva e calma
E ficamos um tempo assim
nos re(conhecendo), nos re(descobrindo)

Então ele chega mais cedo
e toma seu lugar em mim
como antes, do mesmo jeito
E eu me entrego e aceito
...e fim....


regina ragazzi

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Noite de Luar


Passeamos por esse caminho
junto à praia
apreciando essa noite rara
de luar intenso
em que a Lua nos ilumina,
sorri para nós,
para o encanto do nosso amor,
que faz recordar tudo de belo
que nos aconteceu
e que está guardado
no nosso cofre da Vida!

Vemos o bater das ondas
junto à muralha
por onde vamos sem destino!
Mas paramos
e sentamos nessa muralha,
planeando os nossos quereres,
que preencherão nossos seres,
alimentando os sentimentos,
de paixão e amor!

Um amor que é verdadeiro,
muitas vezes sonhado
e com o nosso querer
se transforma em realidade!

E assim vivemos
uma vida em plenitude!

José Manuel Brazão

O destino e a tal coincidência


Eu não sei em que momento a vida opta em querer se apaixonar... Penso que só o coração é capaz de dar tal resposta. O coração é uma caixinha de surpresa, ele mostra o que devemos fazer, e muitas vezes nos obriga a enfrentar de frente. Não adianta fugir! Parece até que o próprio destino faz a sua parte.
Falando em destino, um assunto um tanto divergente, porque acredito muito que podemos fazer do acaso algo mutável. Também acredito que as nossas escolhas podem conspirar nesta “fatalidade” das coincidências.
Querendo ou não concordar, o destino x coincidência parecem andar de mãos dadas. Como se a coincidência fosse à identificação, ou um acidente que se envolveu com o destino.
E cá estamos nós, nestas tais situações da vida, duas pessoas estão se conhecendo. Tomam caminhos iguais; o coração começa a palpitar diferente; o interesse pelo outro se torna visível... Então? Apaixonados pela força do destino, as coincidências em todas as suas casualidades, como se tudo tivesse acontecido acidentalmente. Tudo se transforma como se fosse alterado num só. O destino e a tal coincidência daquele momento mais uma vez comprovam que é possível dar certo.
É óbvio que existem exceções, mas nada é tão contraditório do que não escutar o próprio coração e deixar que o destino faça a sua parte. E as tais coincidências? Os acasos estão ali para auxiliar na aproximação.

09.05.2010
Graciele Gessner

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Sem ti

Nada há em mim se teus olhos se afastam;
resta uma saudade que molha meu peito,
uma dor que acolhe minha’alma
Nada reluz sem teu Sol em minha vida,
como é triste esse caminhar sozinha...
Jaz em mim uma tristeza infinda!

Sem ti; sou de mim pouco mais que a metade ,
sou o que resta quando os sonhos se vão,
sinto-me sozinha no silencio da escuridão
Minha pele sente a ausência de teus toques,
meus olhos a ausência de tua paz...
Assim sem ti; nada apetece, nada resta...

Anna Carvalho
em participação especial

 

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Pranto eloquente

Há um dorido declive na ganância,
Pelo rastreio da dor inconformada;
Que emerge com a palavra decorada
Onde o fogo incendeia tanta ânsia.

Facho no horror da incongruência,
Perante tanta bofetada mal levada
E pela liberdade que esteve fechada,
Desígnio dos vícios da imprudência.

Morrem todos aqui ou noutro lado
Nas pelejas da vida sem mais rigor,
Que não impera o nobre decepado.

Se alguém ressurge por mero favor,
Sente logo seu coração despedaçado
Quando se ultraja um simples amor.


António MR Martins

Ausente de mim

Ando por aí num silêncio
com dor e sofrimento
na busca de ti
e da esperança...

Não te encontro,
mas sinto
a ausência-presença
através do perfume da tua alma,
como uma recordação
vivida no silêncio da noite
e no amanhecer de cada manhã!

José Manuel Brazão

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Você sabe o que é amar?

 

Amar é confiar. Amar é respeitar. Amar é confidenciar. Amar é estar feliz com a vida! Amar é acreditar que nunca é tarde para recomeçar. Amar é ter sinceridade, lealdade, honestidade. Amar é companheirismo, é amizade mútua. Amar é dedicação. Amar ultrapassa as frases “eu te amo” e/ou “te quero muito”.

Amar é um sentimento que se cultiva aos poucos, dia após dia, e não está presente no primeiro dia que conhecemos aquela pessoa dos nossos sonhos. O amor se cultiva pelos gestos, pelas atitudes, pela atenção, pela maneira espontânea de ser.

Amar para mim não é o desejo carnal, e sim, é o desejo de estar sempre juntinho daquela pessoa, seja em momentos bons ou ruins.

Amar é um pouco de cada frase que descrevo. E feliz é aquele que sente este puro amor e não vive das aparências. Feliz é aquele que ama.

Graciele Gessner

 

Vá…deixa-me abraçar-te

 

Triste é o voo da borboleta que te espreita à espera de um sorriso (suspira-lhe vida)
Desbotada está a rosa na tua jarra, também de olhar caído,
a mesma que te fez chorar de alegria (murmura-lhe um cantar de rouxinol)
Existem dias em que a compreensão não tem caminho e escapasse-nos na voz de quem tem razão.
Poderoso é o silêncio que nos corrói de morte (grita)
Mas o que interessa é que essa tristeza amanha já tenha um sorriso,
mesmo que desmaiado e sem cor (acredita)
A vida é feita de pequenos contratempos que quando se nos apresentam são monstros que nos asfixiam os sentidos (assusta-os)
Mas a calma e a sabedoria ajudam a olha-los com respeito
Enquanto o tempo e a persistência ajudam a atenua-los
ou a resolvê-los o melhor possível (como o beijar das ondas a areia)
Vá…deixa-me abraçar-te, talvez no meu abraço encontres o conforto que precisas
Talvez o calor do meu corpo te dê forças para sentires o rio de esperança que corre dentro de ti
Deixa-me dizer-te ao ouvido o quanto te amo e que vou estar sempre aqui, do teu lado
Sempre foi assim, desde que nasceste que és o ar que respiro e a vontade de ficar
O meu dia e a minha noite nos tons do arco-íris

Agarra-te ao sonho de seres mulher e vive a vida carregada de alegria

De qualquer modo, e para prevenir a tua resistência à alegria,
vou encomendar uma pizza e jantamos as duas no aconchego do nosso sofá
a ver um filme fantástico (ou quem sabe do Mr. Bean) até que a noite chame por ti.
Eu ficarei a guardar o teu sono, a tua vida, as tuas tristezas e alegrias,
como sempre faço e que tanto me faz feliz.


Vanda Paz

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

O encontro

Hoje saí da cama mais cedo,
( No rosto, estranho desejo)
Olhei-me no espelho
Com ternura e horror
Saí da casca retorcida
E fui para a rua bailar

Sorvi todas as migalhas
( Instauradas no chão-alma)
Percorri vários caminhos 
Pecados e amores  trilhados
Deslizei  leve com o vento,
Despi-me de todo tormento

Água derramou-se no rosto, 
( Levando embora o desgosto)
Fui beber todos os males,
Procurar por perto outros ares
Dentro do ponto fugidio
O centro do delírio-naufrágio

Aproximei-me devagarinho do Eu
( Lucidez de quem é insano)
Soltei a matilha de lobas a uivar
Senti-me bela, iluminada pelo luar
Distraída, tinha ido me encontrar
E amei cada pedaço de mim.

Luciana Silveira

Salpicos de mulher fatal

Nesse salivar sensual
onde te abrigas fatal
despertas ânimos loucos.
Miras todos de soslaio
em volta desse teu raio
onde filtras muito poucos.

Passas de lado estreita
a silhueta perfeita
nesse andar bambeado.
Depois respiras profundo
e no teu sublime mundo
trazes nariz empinado.

Não ligas a um piropo
manténs-te sempre no topo
enredada em teu perfil.
Passeias o teu perfume
aquecendo nesse lume
cada olhar por mais viril.

Os cães ladram sem rodeios
e tu segues com teus meios
num aprumo sem ter igual.
Só se ouve o suspirar
pela mulher de deslumbrar
num segredo de ser fatal.


António MR Martins

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Perdoe-nos

Não sei se consegue entrar no meu olhar e ver as mortes que sofri
Ou os pecados, as ofensas, a traição e as omissões que cometi
Não sei se veio para julgar ou apenas para sofrer e perdoar
Sei que o mar já não é azul mas vermelho de sangue
Pelas guerras incansáveis entre os Homens, aqueles que criastes
Como máquinas perfeitas mas tão imperfeitos nos sentimentos

As mãos em concha viradas ao céu choram as dores da vida
Enquanto os olhares não vão alem das paredes da casa que tem fome
A vaidade vai matando a terra que chora os seus frutos que não vingam
Porque o vento já não sopra mas polui o ar que respiramos
A raiva e o ódio correm de mãos dadas com a vingança
Enquanto a justiça dorme à noite com o suborno como vadia insaciável

Os rios correm angustiados à passagem pelas terras em poisio
Enquanto as folhas de outono já não caem com medo do esquecimento
As crianças já não correm de braços abertos aos beijos nos políticos
Estes agora dão-lhes fome, tiram o emprego aos pais e deixam morrer os velhos
E a igreja já nada pode fazer porque come à mesma mesa que eles
E os que não comem esgotam-se em planos loucos para dar agasalho aos pobres

Está tudo perdido porque a alegria morreu nas lágrimas e o suspiro sufocou
As pessoas já não se amam para sempre e correm por um tempo que não existe
E eu que queria tanto ver os meus filhos a verem os filhos sorrir
Como eu agora vejo os meus felizes na ignorância de um futuro
Peço-lhe que nos perdoe, que perdoe os Homens, o mundo, a vida
Que perdoe o sol, a lua e os ventos, que perdoe tudo, até os pensamentos.

Vanda Paz

domingo, 17 de fevereiro de 2013

No jardim do meu coração

No jardim
do meu coração
vejo as rosas
que exalam amor!

Cuido delas
como se fossem crianças,
donzelas ou mulheres!

Logo pela manhã
sorriem
para cuidar delas:
ficarão viçosas,
generosas,
sedutoras
e carinhosas,
para o poeta
mais uma vez
se inspirar
na paixão,
no amor,
no romance
e no sonho!

Mais tarde
e na vida,
terei alegria
por praticarem
o que lhes ensinei
no jardim
do meu coração
e expresso
através da Poesia!

José Manuel Brazão

p://www.youtube.com/watch?v=chNcr67eBBc&feature=related

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Eternamente

Os dias passam longos
tristes...arrastam-se...
olho o céu cinzento...
a neve cai!

Quero-te ao meu lado
estou sozinha
há muito tempo
anseio por ti ...e não vens...
não mais virás!

Olho a neve pintando o verde
de branco
nas flores, nas árvores...
as montanhas ao longe
me dão a impressão
de infinito
do inatingível
os dias passaram...não viste...não vi
contigo levaste os sonhos, a primavera
e todas as estações...ficou o inverno!

Partiste
deixando-me a saudade
dos dias felizes
...dos risos...
dos teus beijos...teu sorriso...
teu cheiro
Eu queria tanto dizer-te o quanto
te amo
ainda te amo...
e quanto te amei!

Uma brisa fria envolve
meu corpo sinto como
se estivesses aqui
vejo teu vulto...
uma canção
dedilhada ao piano como se
tocada por anjos
a inundar de saudades
meu coração!

Mas devo ficar...esperar...
não sei mais por quanto tempo
até um dia eu
poder encontrar-te
para novamente amar-te
eternamente...eternamente! 


celina vasques


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Sonhos e magia

 

oiço
o estalar da caruma
pisada pelos passos teus
à chegada da lua
na sua fase companheira

sobressai o semblante
em que assentas
teu corpo
perante deslumbrante luar
que te ilumina a fronte

na noite
a plataforma do entendimento
na mistura dos sentidos
pelo cheiro
que os provoca

sorris
pertinente e sedutora
entre a magia que vem dos céus
e na aureola que é tua
numa imagem derradeira
retenho-me caminhante
no trilho me acalentas
rastreio
de um pleno brindar
ao longínquo horizonte

em ti
poderoso elemento
para um abraço contido
e um afago matreiro
para o prazer que se evoca

a caruma se desprende
a lua nos observa
o horizonte não se entende
e o luar nos reserva

sublimam-se tantos travos
o suor nos sacia
no beijo das descobertas
que nos eleva o rubor

fantasia de um sonho
na magia de uma noite

António MR Martins

Ingrato

SONHO PARTIDO
Invadiu meu mundo,
Entrou sem pedir licença.
Trouxe todos os dias:
versos, rosas, sonhos e alegria...

Agora partiu, assim,
também sem pedir licença...
Ingrato, 
não sabe que deixou um vazio?

Dissesse Adeus, pelo menos,
Não ficariam
Esse gosto amargo na boca
Nem esse buraco no peito...

Sueli Rodrigues

 

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Dos sentires...

Quando não sinto,
sinto que sou:
matéria sem cor
flor sedenta
caída à beira de um rio
sol de falso brilho
... e frio...
alma vazia...

Então eu choro
e imploro pelo menos a dor
Quero sentir algo
seja lá o que for...

regina ragazzi

Infinito


No céu, as estrelas esperam
Equanto cometas vagueiam
Em busca de nosso olhar

A eternidade nos espera, amor meu
Enquanto flores abrem suas pétalas
Para nosso futuro lar enfeitar
Entendemos juntos essa harmonia
Que desfaz-se em bolhas de sabão
Juntando todos os nós e desatando-os
Um por um, restando apenas nós

E quando cai a noite nessa cidade
Tudo o que não sinto é solidão
Sinto apressado pulsar meu coração
Na espera doce do tempo em que virás
Escrevo poesias talhadas em sentimento
Enquanto vejo na lua tua imagem
E todo o resto, é pura bobagem.

Luciana Silveira

Nos sentimos tão perto!


Pela janela olho a chuva,
os pingos parecem lágrimas!
Lágrimas da saudade
de não estar junto de ti!

Penso e repenso
a luz que sentiria
ao ver aproximar
o teu corpo do meu!

Abraçar-te, beijar-te,
dizer quanto te amo
e irmos
até ao lago da paixão!

Lago dos nossos desejos
e prazeres, dos nossos sonhos
que viraram realidades,
num tempo e momentos felizes!

Deixo de olhar a chuva;
continuo só,
apenas pensando…

… tu e eu nos sentimos…
tão perto!

José Manuel Brazão

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Tuas mãos


Gosto quando tocas em meus cabelos
Quando acaricias meu rosto com leveza
Quando seguras com firmeza minha mão
Nas horas de minhas angústias

Gosto do toque de tuas mãos em meu corpo
Nas nossas noites de amor
Das mãos que estendes
Quando me chamas pra junto de ti

Gosto quando secas minhas lágrimas
E me acalmas
Falas comigo através de tuas mãos
Não precisas de palavras
Ao segura-las
Não tenho medo de nada

Amo as tuas mãos

regina ragazzi


Os olhos do meu coração


vem de longe,
num silêncio sereno,
de muita convicção,
só visto pelos meus olhos,
os olhos do meu coração!

Sabes desta paixão
que passou a amor,
quando senti
a tua dedicação,
admiração
por mim!

Tens o conforto
do meu pensamento em ti;
nessa hora desejas-me,
fixas a minha imagem,
sorris para ela,
apertas no teu peito,
sentindo o meu corpo
levar-te ao prazer!

Cai-te uma lágrima,
enfrentas a realidade,
do amor nos aproximar
e o mar nos separar!

José Manuel Brazão


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Soprando palavras de amor


Inexplicável sensação de proibido,
tormento para meu coração
Esse amor amigo
assim sem explicação...
É uma sensação impotente
diante de um amigo amor
que é tudo pro meu coração...
Aquele amor amigo
que faz rir e chorar
que briga, bate a porta
pede desculpa e volta
Aquele amigo amor
que ronda meus sonhos
deixando em êxtase 
meu mundo encantado...
Amor amigo
Amigo amor
Vive em meus sonhos
soprando palavras de amor...

Sueli Rodrigues


De facto depois das palavras da Marcia e do Mário só me resta felicitar-te pelo poema e pela Poeta que és! Fico feliz, tu sabes disso!
Beijoo do


domingo, 10 de fevereiro de 2013

Palavras



Palavras
só palavras!

Tantas gastas

e pouco usadas.

Quando procuro

quem as disse
ou escreveu,
fico desiludido!

O poder da palavra

é infinito!

As palavras

estimulam
ou desmotivam.

As palavras

criam paz
ou convulsões.

As palavras

causam desavenças,
em vez de uniões …

Para mim


as palavras

são um dom da natureza
para se conviver bem
com elas
e um elo de aproximidade
e de fraternidade …

José Manuel Brazão

Acariciar a minha solidão


A vida passou pelo meu lado
Já sinto o frio, sem ti, a sombra cai...
Sinto os seus olhos fixos dentro mim,

Adormeci e lá estavas tu,
invasor da minha noite...
do meu sono.

pudesse eu resumir
o resto da minha existência a essa suavidade,
sem lágrimas, sem tristeza...

pudesse eu poder enviar
pela janela aberta da minha Alma
os meus versos,
soltos e livres na sua direção

e

nessas palavras criadas para ti
elas serão tuas companheiras
na solidão das tuas noites

e

no vazio que ficou em mim
da saudade ..
que mora no meu olhos

Amartvida
em participação especial

Amor de longe


E se o amor vier de longe a vida e os sonhos te darão asas,
para voar além do mar da saudade, além de toda distancia.
Essa que não existe nos olhos e na alma de quem ama

E se a saudade fizer de teus olhos brotarem lágrimas, deixe-as;
serão elas como a chuva a cair puras no solo de teu peito
adubando o sentimento, alimentando os sonhos, as vontades...

E se houver o cruzar dos olhos, o calar de todas as incertezas,
aproveite cada segundo desse momento, o calor do olhar,
como se fosse o sorver da alma além do toque, além do corpo

E se houver amor, mesmo que distante, ame por inteiro!
Faça dos sonhos uma estrada florida e por ela encaminhe a vida
e nas asas do amor deposite a confiança, o elo do verdadeiro sentir.

Anna Carvalho
em participação especial

As estações da Vida


Ao nascermos é primavera
O começo duma vida
Tudo é fácil, uma festa
Muita esperança e alegria

Segue-se o verão e a juventude
Ei-la plena de emoções
Sonham em mudar o mundo
Quando dão conta,o verão já se foi

Alguns cabelos brancos e umas rugas
Começam a despontar
É o outono que esta chegando
Traz sabedoria acumulada para ensinar

Um dia chega o inverno
A mais inquietante das estações
Com ela vem a velhice
Saber vivê-la convem

Felizes viveremos
Se aproveitarmos a lição
Que a vida nos quis dar
Durante cada estação.

Bárbara Godinho
em participação especial

Beijo suave


Escorre-me pela face
o teu beijo.

Procura o ponto
de chegada.

Cega-me os lábios
de desejo,

aninhados na espera,
enfeitiçada,

Vanda Paz

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Doces palavras


Quando te leio,
tuas palavras
escorrem doçura!

Mulher bela
de sorriso natural,
ternura,
dás à tua beleza
o que vai na tua alma!

Olhas-me e serenas
apenas com o meu olhar!

É apenas o olhar,
porque meu coração
é um coração sofrido!

Ele aguenta tudo:
até dar amor aos outros
e eu tão carente dele!

Aguenta
com as doces palavras
de ti
e de muitos outros…

José Manuel Brazão

[....]



Leve contigo
minhas doces palavras,
deixe que transbordem em doçura.

De um sorriso natural brotará
toda a beleza da alma.

Se o olhar é sereno
É conforto do amor refletido
destruindo o sofrimento
do coração descompassado...

Ah! Coração sofredor
Tudo aguenta. E ainda assim:
Dá afeto independente de sua carência.

Leve contigo meus sonhos coloridos,
carinho,
amor,
alegria...
na doçura das minhas palavras

Sueli Rodrigues



sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

SISSA a Mulher e a Bailarina


E que eu tenha sabedoria ao conversar com todos... Que minhas palavras não leve magoa, tristeza ou maldade ao coração de quem quer que seja... Quero e preciso do dom do amor em mim, da amizade, do respeito pelo próximo, pois só assim vamos estar com certeza falando a mesma lingua independente de qual país estejamos....... Peço a Deus que ilumine o coração de todos, levando paz, tranquilidade e amor... Que neste final de semana, neste carnaval todos tenham a sabedoria de serem mais agradecidos a Deus pela vida que bondosamente nos foi dada e que nosso corpo não é nenhum instrumento musical, onde todos pegam e tocam.... Se respeitem... Assim irá ter o respeito que tanto quer nas pessoas....
Um beijo carinhoso em todos

Sissa


Si αмoя є √iđα disse... Obrigada por todo seu carinho viú? Eu adorei muito e estou feliz demais... Obrigada de todo meu coração... Beijos com carinho da Sissa

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Em silêncio...


Em silêncio...
O vento sopra brandamente
Aspiro a poeira dos tempos…
Em silêncio o tempo passou...


Escuto ecos que invadem aquela sala tão antiga…
Um piano parece tocar sozinhas
sua harmonia e canção…
A quatro mãos entrelaçadas em sintonia…

E só tu sabias o quanto elas podiam tocar...
Seus acordes ecoam na brisa
- Canções de amor longínquas –
Inatingíveis... Perdidas...
No transcorrer da vida...

Mas só eu as ouço... Em silencio
E assim grito ao vento… Assim clamo a dor deste amor…
Em silêncio!

celina vasques

Nem sempre a felicidade mora ao nosso lado


Vivemos com a pessoa que amamos,
porque nos cruzámos com ela
e julgámos que esse amor era a nossa morada!

Passam dias e anos
e na convivência fisica
olhos nos olhos,
acções e reacções
ambos sentimos,
constatamos comparando,
que afinal a felicidade
está mais longe;
para ser feliz e ter momentos felizes
pode sim, morar em alguém,
 estar longe sem perdermos de vista!

José Manuel Brazão

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Recortes


Aos poucos a vida vira a página
que eu não consigo parar de ler.
Aos poucos as nossas imagens
suplicam pra te esquecer.
Aos poucos, anestésicamente,
Aos poucos homeopáticamente.
Vou te deixando partir....

Sandra Freitas

Navegante


Nada sei desse sentir que hora abrigo noutra abismo.
Sei apenas das ânsias de quando navego no mar da vida,
entre tempestades e calmarias,
entre a fúria de um furacão ou na beleza de um arco-íris.

Sei tão pouco dessas borboletas que sobrevoam meu estômago,
dessas tonturas quase torturantes e sem sentido
que encontro no sentir mais enlouquecido,
do amor que por mim ainda é tão incompreendido.

Talvez eu saiba apenas manter as velas hasteadas,
não me preocupando muito com o rumo,
deixando apenas o vento ditar o caminho,
desse coração apaixonado em desalinho.

Nesse verdadeiro sentir, não imponho regras,
tão pouco razões ou conclusões.
Sinto somente, navego só (mente.)
Sem leme, sem planejar a direção,
guiada pelo coração, levada pela emoção...

Sendo o amor a imensidão.

Anna Carvalho
em participação especial

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Vento


Será preciso tempo
ou mesmo o vento
para desembaraçar
seus cabelos
caracóis se perfazem
num emaranhado frenético
miscelanea de idéias
Por dentro.

Luciana Silveira

D. Quimio


Uma luta desmedida
Há tantos anos a travar
Contra um inimigo
Que teima em não me largar

Tenho vencido e vou vencer
Deus está a me acompanhar
Com a ajuda da D. Quimio
Que dizem vem me salvar

Já vivi essa experiência
Que suas marcas deixou
Votar de novo à ribalta
Não me agrada mas lá vou...

Vou mas vou contrariada
Não aceito a D. Quimio
Ela deixou suas marcas
Que me marcaram para a vida.

Será mesmo necessário
O martirio que estou passando?
Só Deus sabe e acredito
Alguma dívida estou resgatando..

Mesmo assim eu agradeço
Todos os dias ao Pai do Céu
Minha vida a ele entrego
Dá-me forças Santo Deus

Minha alegria para viver
Me ajuda a ultrapassar
Com a familia e amigos
Sempre, sempre eu vou estar


Bárbara Godinho
em participação especial

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Ensaio sobre o beijo


BEIJO BOM!

Ah!  Beijo
Beijo roubado
Beijo surpresa
Beijo apaixonado...

Beijo no rosto
Beijo na testa
Beijo no queixo
Beijo molhado...

Beijo na boca
Beijo sentido
Beijo desejado
Beijo apaixonado...

Beijo amigo
Beijo amado
Beijo selinho
Beijo eternizado...

Beijo bom
Beijo bom mesmo
É o beijo do meu amor
Por inteiro...

Sueli Rodrigues

sábado, 2 de fevereiro de 2013

À espera do amor


Gostava de te trazer à beira de um sonho
Sorver-te o silêncio e espantar-te o medo
Agarrar-te as palavras pelas asas e voar

Gostava de sentir as gargalhadas nas mãos
E as marés inquietas no peito
Olhar para dentro de mim e afogar-me por inteiro

Rodopio na sombra de um suspiro e deixo escapar o verso
Amor entrelaçado e audaz nas madrugadas brancas
Que traça as linhas voluptuosas na pele do meu corpo

Agora o poema é capaz de ficar e dizer que sim à vida
Enquanto as mãos se abrem ao céu e esperam as estrelas

Recebo a voz nos braços e segredo-te beijinho que te espero.

Vanda Paz


Por dentro, você!


Fecho meus olhos, por dentro, você
Sinto a imensidão do nosso amor
Agora a vagar
Mas, de onde vem esse doce mistério, ainda a brilhar?
Fusão de duas almas sedentas a se desejar
Sentimentos que não se esgarçam com o tempo, com o vento
Quem dirá, com um contratempo?
O tempo, senhor de todas as razões
O fará recordar...
Nossos corações, para sempre unidos
Jamais serão banidos ou iludidos
Percorro caminhos, solitários, recordando
Suas marcas, as linhas de seu corpo, minhas amarras
O meu sofrimento, ainda ele é belo e calmo, e leve
Porque, meu amor, ainda agora estás aqui
Impresso em meu corpo ainda quente por ti
A sedução impressa em suas doces palavras
Que me disseste só para eu poder amá-las
E para sempre guardá-las
Ainda soam suaves e enérgicas em meus ouvidos
Nossos corpos próximos, sempre nus
O arfar de nossa respiração ao desejarmo-nos
O vai-e-vem desenfreado, a alma exposta
E a explosão imensa ao gozarmos
O desejo, altar maior, que não se aquieta
mas apenas descansa e desperta
Os longos beijos, as línguas a dançar
Provocando a fusão de nossas almas
A fome, a sede, a faca e o queijo nas mãos
Suas mãos a percorrer meu corpo em frenesi
Rostos em êxtase de pura paixão
Seu corpo, Meu Amor, minha morada
Seu rosto, Meu Querido, meu espelho
Sua alma, Meu Bem, meu repouso
Seu ventre, Meu Devasso, meu gozo
Como pode acontecer de apartar
Se meu corpo ainda está a clamar
Se minhas veias ainda a fervilhar
Se minhas teias estão a rogar
Se meu sexo ainda a molhar
Se minha saudade vive a me rondar
Se sua ausência presente a me provocar
Não me abandones, encanto meu
Pois és a inspiração para meus versos
E minhas pobres rimas
E amanhece, anoitece
Fecho meus olhos, por dentro, você
E volto a sonhar.

Luciana Silveira