Outros Blogs do meu grupo:

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Temor noturno

Tenho medo de não suportar essa dor que mina dos meus poros, qual goteira rixosa em casa velha. Tenho medo de não conter esse desejo que serpenteia minha carne, sempre que lembro das suas mãos tocando meu corpo. Tenho medo de jogar pela janela o pouco de razão que me sobrou, quando a miragem do teu olhar quente entra soturno pela minha janela. Tenho medo de rasgar o céu com as unhas, sempre que lembro que a vida nos quis assim: paralelos. Tenho medo da insanidade escondida no meu travesseiro, olheira das imagens lacívas, desenhadas pela nossa silhueta. Tenho medo de passar a eternidade sem entender, por que tenho medo de mim sempre que penso em você.

Sandra Freitas

Despir disse...

Que lindo Zé...e ficou boa com a foto nova....Estamos sempre em constante mudança...isso é sinal que acompanhamos a vida.
Bjokas
Sandra 

1 comentário:

Despir disse...

Que lindo Zé...e ficou boa com a foto nova....Estamos sempre em constante mudança...isso é sinal que acompanhamos a vida.
Bjokas