Outros Blogs do meu grupo:

terça-feira, 30 de junho de 2009

A linda rosa do nosso amor


O que há entre nós além de um imenso amor
Representado neste simples poema
Por uma linda e delicada rosa vermelha.

A linda rosa do nosso lindo e doce amor,
Cada pétala representa uma saudade:
Cada saudade uma lágrima
Cada lágrima uma esperança
De tê-lo pra sempre ao meu lado.

Os espinhos representam as lutas que passamos
E as que ainda passaremos juntos.
Unidos a cada segundo
A cada momento
Pois este é nosso juramento
De amor eterno.

Nosso amor transfigurado nesta linda rosa
Rosa linda e delicada
Imensamente perfumada
Como o nosso lindo
Doce
E delicado amor.

Nanda Salles

Avesso de Alma

Muito honra "No caminho das emoções" mais uma Amiga e Colega a poeta Teresa Rodrigues (Sterea, Tera Sá) que fará parte da lista já extensa de Autores convidados!
Muito sucesso.
Beijos Teresa
José Manuel Brazão




Avesso de Alma

É verdade?
É mentira?
É disfarce?
De que se veste a vida
quando nos despe a vontade?
Só sei que estamos,
paramos,
quando estamos amputados
de força, de fome e gosto...
Cansados
Como flores de estufa
coberta de luto
que não aprendemos...
E a fuga esvai-se,
deixa-nos para trás,
se não desculparmos
quem nos aprisiona:
nós...

Teresa

Diana... um Anjo



Amo-te, tão ternamente
Amei-te...

tão ternamente!...
E revejo-te a ensaiar passos de encontro
aos meus passos e abraços
tão felizes,
que de amar-te guardo o riso,
guardo a fonte,
da saudade que me segue
em passos próximos...

Amei-te...
tão ternamente!...
Que em memória se me embarga
a voz, de rouca,
quando leio a história que te contou...
E as palavras que sabias, de tão poucas!,
-a mais bela, a mais ouvida, a mais gravada,
tenho-a ainda no meu peito cravejada:

-MÃE...

Ai de quem
perde o eco desse apelo
assim ceifado,
sem aviso,
arrancado!

E eu preciso
eternamente
repetir-me
a saudade,
repetir-te
eternamente:

Amo-te...
tão ternamente!...

O dia em que eu chorei para dentro

O dia em que eu chorei para dentro foi-me fatal. Essa manhã acordou já húmida, o Inverno agarrara-se a fiapos de nevoeiro, tentando aquecer-se, mas o efeito foi o contrário: fiapos de algodão levados a frio extremo transformam-se em agulhetas de gelo... que ferem, que fazem sangrar...Mas foi a humidade que me danificou, mais que o frio. O frio foi até meu amigo, paralisou-me, ficou ali comigo, petrificou-me, como se quisesse que a Dor passasse por mim sem me notar...A humidade foi-me cruel fatalidade. Não aquela que pingava na visibilidade do ar, cá fora! Não, essa não. O problema foram as lágrimas quentes, que, trementes e tementes do frio cá fora, se recolheram aos meus olhos e me caíram para dentro... Não sei bem que dano irreversível me causaram, sei lá, um curto circuito interno, sei lá!..Sei que nunca, nunca mais, consegui voltar a ligar a alavanca de Arquimedes, e erguer-me acima do nevoeiro......e o sol que consigo, é sol inventado, algures entre uns olhos de mar e uns olhos de mel... e um bater de asas de anjo...

Tera Sá

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Sorriso para amar


Como é belo
olhar o teu sorriso!

Sinto-o
como um carinho,
um afecto, um beijo.

Estamos distantes,
estendemos as mãos
e ficamos próximos!

Olhamo-nos,
abraçamo-nos
e juramos
um ao outro
fidelidade
e felicidade,
sem fim…

José Manuel Brazão

És o meu luar!



És o meu luar
em plena luz do dia!

A minha paixão
é evidente
e persistente.
Não a evito,
não a oculto.

Vivo-a com vigor,
alegria,
muita alegria,
percorre o meu corpo,
caminhando
para um grande amor!

Numa noite
vimos estrelas no céu,
contemplámos,
olhámo-nos
e vi em ti
que eras o meu luar,
com luz cintilante,
luz muito brilhante,
como em pleno dia!

Não esquecerei
que nessa noite.
uma mulher encontrei,
que é o meu luar,
quer seja noite
ou dia …

José Manuel Brazão

domingo, 28 de junho de 2009

Bem-vinda, Vida!


Quando eu era muito pequena dizia para minha mãe que iria morrer aos sessenta anos!
Claro que ela retrucava: "menina, pare com isso, nunca diga uma coisa destas!" porque o seu papel de mãe certamente a obrigava a ensinar-me a viver.
Imagino que àquela altura ter sessenta anos deveria ser ter muitos anos vividos e provavelmente uma aparência desgastada. Quando vejo hoje fotos de minha avó, tias e mãe, com esta idade, tenho que aceitar que aos sessenta anos -há sessenta anos- as pessoas realmente pareciam envelhecidas.

Cresci pensando que aos sessenta anos iria morrer. Tinha mesmo a presença constante deste decreto que fiz a mim mesma (penso) desde que nasci.
Pois bem, queridos amigos, queridas amigas, dia 13 de junho fiz sessenta anos.
Primeiro, pedi ao meu querido amigo Sérgio Scabia, este ítalo/brasileiro generoso e corajoso que co-criou este site que, por favor, atualizasse minha idade na minha página de apresentação.
Depois disso, e assumindo os meus sessenta anos confessos e publicados, venho declarar que não vou morrer! Ufa!

Tenho planos, muitos projetos; estou escrevendo mais um livro - este dedicado aos meus amigos portugueses - onde, inclusive, pretendo escrever na nossa língua original.
Confesso que tem sido um esforço, mas certamente vou contar com a revisão de algum amigo lusitano que se disponha a ter paciência e tempo disponível para a tarefa de traduzir o português que escrevemos no Brasil para o português escrito em Portugal.
Voltei a fazer ioga duas vezes por semana, e sinto que meu corpo ganha a cada dia mais elasticidade, o que me permite correr pela areia da praia neste início de primavera - que de tanta beleza, alarga os nossos pulmões a cada respiração.

Iniciei aulas de canto, desejosa de saber se possuo alguma capacidade para cantar. Percebi que a música opera milagres nos processos de transformações e sinto que preciso conseguir soltar minha voz, toda vez que isso se fizer necessário. Depois, saldaria uma dívida que tenho para com meu querido neto que já na idade de gravações no computador pediu que fosse eu a crooner da sua garage band. E, ao final da nossa primeira música, ele pediu licença para adicionar à minha voz alguns efeitos sonoros que a projetaram para o fundo da trilha - o que nos fez dar tanta risada que desistimos de gravar. Eu desisti, mas ele continua a procurar a voz para a sua banda.
Depois tenho um projeto novo que é criar um espaço dentro e fora de mim para aprender a pintar. Sempre desejei expressar minha veia artística. E para isso, naturalmente, tenho que a encontrar.

E, assim, cheia de planos e projetos não me sobra tempo para morrer. E o mais importante foi perceber que existem assuntos (a maioria deles) que não compete a nós decidirmos tempos e datas. São comandos que vêm lá de cima e que nos ensinam a deixar também ir embora, como os decretos, a necessidade de controlar.
Parabéns a todos que este ano fizeram ou fazem sessenta anos. Ou mais.

Bem-vindos à Vida!

Izabel Telles

Terapeuta holística e sensitiva formada pelo American Institute for Mental Imagery de Nova Iorque.

Colaboradora do site: http://somostodosum.ig.com.br/

Pedaços



Quando estou em pedaços,
tento aos poucos me juntar,
dia a dia, passo a passo,
me reinvento em um lugar.

Renasço das cinzas,
puro céu de amargor,
pego todos meus pedaços
os reconstruo com dor.

Mas deixo alguns espalhados,
nos quatro cantos da vida,
quem sabe algum peregrino(a)
queira curar-me a ferida.

Deixo um pouco de mim,
em quase todo lugar,
talvez por que queira muito,
fazer alguém me entender e encontrar.

Quando estou em pedaços
e a vida é um quebra cabeça
em pedaços me desfaço,
até que reapareça.

Reapareça a vida
e o quente sol a brilhar
aquecendo os meus dias,
fazendo os sonhos voltar!

Rosangela

Amizade com veia


Conheço o teu paleio
Essa graça
Esse teu cheiro
Dessa amizade com veia
Não há dinheiro que luza
Que o folgo não te falte assim
Essa miúda é musa
No ciúme do teu freio
É rica porque maneja
É rica por ver-te assim
É rica porque se enrosca
Num abraço dentro de ti
Naquele brilho dos olhos
Uma riqueza sem fim
É como sentar num banco
Em passeio num jardim
Ela fica olhando o rio…
Em corrente dentro de ti.

Cristina Pinheiro

sábado, 27 de junho de 2009

Possso não ser ninguém no Mundo


Não sou ninguém no mundo,
neste mundo.
Mundo caduco e envelhecido,
para muitos, mais empobrecido
de valores morais.

Não sou ninguém no mundo,
neste mundo.
Para muitos, mundo enriquecido
de invejas, arrogâncias,
cobiças e intolerâncias;
falta de amor!
Sinto tanta dor
por esta forma de viver,
que antes morrer,
do que ser alguém neste mundo.

Sonho,
vivendo a esperança
dum mundo melhor:
de harmonia e paz.

Sinto,
que nos meus pensamentos
e nos meus sentimentos,
posso ser o mundo de alguém!

José Manuel Brazão

Amor sem limite


Nem mesmo quando dói a saudade
Nem mesmo quando os silêncios me alcançam
Nem mesmo quando a distancia é realidade
Meus sonhos sem os teus avançam

Em alguma hora em algum lugar
Nasceu esta magia chamada tu e eu
E de sempre, nós dois neste esperar
O amor, á solidão de cada de um... venceu

Tu que me acordas a sorrir
Tu que me pedes o meu sorriso
Mas neste estar longe não sei fingir
E no meu olhar triste está o quanto de ti preciso

E tu que um dia eu sem querer
Aprendi a amar e o amor a aceitar
Hoje és o sorriso do meu amanhecer
A canção que a vida me quer dar!

Fernanda Rocha

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Coração de ternura




Sentei-me no tempo
A mergulhar no passado
Ergui o presente
Com uma rosa ao lado

Coração mais lindo
Com um tom mesclado
Cabia na mão
No meio de um trago

Coração de ternura
Que se viu crescer
Num musgo molhado
Uma flor de candura
Em recinto fechado.

Cristina Pinheiro

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Navegar pelo mar e pela vida


Olhe o dia a sua frente... E pense comigo. ♥
A vida é como o mar, ás vezes bravio e ás vezes calmo, as ondas são as horas e nós somos os barcos onde elas se arrebentam sem parar. ♥

Assim como a vida, o mar não é infinito, mas dá a impressão, pela sua grandeza, que nunca acabará.
Navegar pelo mar e pela vida, exige um rumo certo, e um bom piloto. ♥
E nós, frágeis barcos dessa viagem, partimos de um pequeno caís como um barquinho à vela. ♥
Mas se deixarmos AQUELE que tem PODER de controlar o mar, pilotar nosso barco chegaremos ao nosso destino, em um grande porto, como imensos navios guerreiros.
Permita que Deus faça com que o mar da sua vida seja sereno... ♥

Rosangela

Contrição


São lágrimas, Senhor! São lágrimas!
Pedaços de vida que Vos entrego
Retalhos de dor, desavinho da alma
Nacos de mim que, em ferida, renego
Em sangue, o silêncio, que não acalma

É rio, Senhor! É rio!
Que escorre num tempo de nunca acabar
Rescaldando um peito em pleno pintor
De um momento que suspira pelo desejar
Rejeita o leito, correndo triste, em desamor

No
debulhar da saudade fica o aroma

O sumo, as cores e a semente.

Levai-me, Senhor! Levai-me!
Porque em mim, já não encontro gente.

Vanda Paz

quarta-feira, 24 de junho de 2009

O meu poema


O meu poema é a cal que a chuva arranca ao muro
ou o muro lavado pela chuva.
É a erva daninha crescida no meio do trigo
ou o trigo nascido no meio do joio.
É a fera de cornos em afiados
ou o touro bocejando lírios.
É a maçã podre a arrepiar-me
ou a cor dessa maçã a seduzir-me.
O meu poema sou eu Hoje
Ontem
Amanhã.
É intemporal.
O meu poema é sempre vento ou brisa no peito
na velocidade com que as mãos lhe colhem as palavras.


Marta Vasil

terça-feira, 23 de junho de 2009

Como vivo na Poesia


Tão simples a minha vivência com e na Poesia!

Quando comecei a escrever poemas, admirado com o que estava a suceder-me naquela altura da Vida – sempre escrevi prosa – mostrei a pessoas autorizadas na matéria e uma delas disse-me: mas você tem um dom. O poema está muito bom! Continue e verá!

Assim, nasceu a poesia em mim!

Não mais parei, mas sempre com o pensamento que isto seria mais uma missão na minha Vida!

E por missão nunca recebi um cêntimo por publicações e colaborações neste mundo da Poesia!

Entendi alargar esta missão criando um Blog “No caminho das emoções” por onde passassem os Autores consagrados e Autores meus convidados tendo por objectivo apresentar poesia de qualidade e Autores que eu respeitasse e admirasse o seu trabalho!

O Blog foi criando uma dimensão tal, que nunca imaginei! Visitantes desde a China ao Brasil!

Muitos Colegas perceberam a minha intenção de divulgar ao máximo a Poesia,

Poucos não perceberam a minha ideia!

Interesso-me pelos muitos!

Em Janeiro deste ano tive necessidade de criar o Blog “Poesia com emoções” para concentrar os meus textos e que já são centenas”!

Não posso deixar de realçar que conto com duas poetas residentes: Vanda Paz e Marta Vasil, dois pilares na minha vida pessoal e na minha vida com e na Poesia!

As manifestações de carinho, simpatia e até muita ternura vieram modificar no bom sentido, a minha tão simples vivência com e na Poesia!

José Manuel Brazão

sábado, 20 de junho de 2009

NANDA Salles: a Mulher e a Poesia



NANDA Salles uma jovem Poeta, minha Colega no site Luso-Poemas e uma querida Amiga, desponta agora para horizontes vastos. Conhecendo os seus textos, escolhi estes dois em que escreve sobre si!
Finalizo com as suas palavras de perfil: ""E o encantamento sobreviverá em nós, porque dos sonhos tiramos o encanto que a vida sozinha, jamais poderá dar.".
Muito sucesso
Querida Nanda
José Manuel Brazão


Sempre Mulher

Pó de fada
varinha de condão
muitas vezes menininha
em outras mulherão.

Fada arisca
bruxinha má
chorando soluçando
sorrindo se esbaldando.

Eterna inconstante
perfeita,
errante.

Quietinha
falante
namorada, amiga..amante.

Dona do mundo como podes ver
dona das minhas vontades
sou mulher da terra.
Do chão
sou raiz.
Escolho meu paraíso
e nele planto meu jardim.
Ando descalça por caminhos floridos...
Danço nos campos
rodopio no ar.
Tomo banho de chuva nua
abro os braços e giro.
Olho para o céu e acredito.
Que existe destino.

Existindo eu escolho
sigo, mudo, me recolho.
me abro para o mundo
eu decido.
Eu sigo meus instintos.
Sigo as estações.
Eu sou da terra
do fogo, da água e do ar.
Sou de antes e de agora
sou flor e espinho
sou a água, sou o vinho.
Simples... Sagrada
Sempre... Mulher.


Busca

Rasgo a noite em busca de ti,
Do acalento das tuas palavras e dos teus abraços em sólida cumplicidade.

Rasgo a noite, porque sei onde fica a tua janela.
Quero falar de amor, de futuro, de belas certezas e embriagar-me de beleza.
Cantar a beleza...

Avivo o entusiasmo, desembrulho os desejos,
Absorvo as excentricidades e faço delas, parte do meu mistério.

Desejo fundir o sonho à realidade e que tudo acabe por se agigantar em uma possível realização.
Quero deslizar no teu cheiro e beijar-te.

Beijar-te muito.

Rasgo a noite em busca de ti, com esta vontade de vencer os receios de menina que deseja germinar novas sensações

Que acredita em grandes e vulcânicas paixões.


NANDA Salles

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Anjo da vida surgiu...


O Anjo da Vida surgiu
E transformou o meu sonho:
O drama do medo
Deu lugar a uma rejubilante comédia.

Surpreendido, perguntei ao Anjo,
“Estou morto?”
Ele responde,
“Sim, durante todos estes anos,
Embora o teu coração batesse
A tua mente dormia no túmulo da ilusão
Sem consciência da tua divindade.

“Agora, com o coração a bater
E o corpo a respirar,
A tua mente libertou-se do inferno.
Renascidos, os teus olhos
Admiram a beleza que te espera.

A tua consciência divina desperta
Todo o amor do teu ser.
Ódio e medo rejeitados,
A culpa e a vergonha desaparecem.
A tua alma perdoa,
A tua divindade vive”

Os meus olho, fascinados,
Contemplam o Anjo.
Sinto a verdade a acordar em mim.
Rendo-me, sem reservas,
Incondicionalmente.
Humildemente recebendo
A morte e a vida,
Do inferno me liberto
E com novos olhos,
Vejo o meu amor eterno…soltar-se.

Miguel Angel Ruiz

Coração poeta: Vanda PAZ



Vives, escreves,
usas as palavras,
sempre,
sempre com o coração!
Mulher de paixão,
sonhas a vida,
com magia, alegria,
sempre com o coração!
Amas
o som dos pássaros,
amas
o som do mar,
envolves-te com as ondas,
abraça-las com amor.
Amas
o horizonte,
as pessoas …
Acaba o sonho!
Vem a ilusão …
Viverás
sempre com o coração;
coração poeta …

José Manuel Brazão


Dedico à minha querida Amiga e minha pincesa na Poesia VANDA PAZ

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Lembranças


Olhar atoleimado,
perde-se no verde profundo.
Refém de tantas imagens,
neste sorriso, bordadas...
Caminho, na praia
de um mar indolente.
No rosto, a brisa fresca
e salgada...
Na areia, as pegadas
não mais incertas.
No olhar, a calma azul
da saudade.
Manhãs festeiras,
de madrugadas perenes.
Que guardei com esmero,
numa imensa concha.
Caminho, sentindo
fluir a maré.
Na praia de minhas
lembranças.

Praia Morena – Ilha Bela
Glória Salles

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Eu e o meu Anjo


Pensando no meu filho João que partiu na viagem necessária em 24 de Agosto de 1997!

Muita LUZ meu Filho

José Manuel Brazão

Coimbra


Trago comigo Coimbra nos pés,
ainda sinto os seus braços
feitos de calçada e árvores robustas,
que me deixaram, com cuidado, junto ao Mondego.

São ruas de aconchego,
num grito de alma menor.

E o rio,
um sorriso pela esperança de um qualquer olhar.

Vanda Paz

terça-feira, 16 de junho de 2009

Se as pedras por mim pisadas falassem


Se as pedras do caminho
contassem os passos
que sobre elas dei!...

Se elas falassem
dos traumas e amarguras,
no percurso da vida sentidas!...

Se produzissem
o semblante da alegria,
que também alinhavou
algum do caminho nelas percorrido!...

Se pudessem
os cometidos actos julgar
e a razão de os levar a cabo!...

Se desmotivassem
o comentário daqueles
que caminham por outras paragens!...

Se palpitassem
ao sublimarem uma carícia
quando sobre elas me sentei!...

Se rejubilassem
pela euforia tida,
culminada com pujantes saltos sobre elas!...

Ai pedras do meu caminho…
se não fosseis silenciosas
tanto teríeis para contar!...

António MR Martins

Anjo meu



Anjo meu
Leva-me contigo em teus braços
Leva-me para os mais altos céus

Vem
Segure-me forte deixe-me contigo voar
Atravessar desertos e vales
Montanhas e mares
Quero debaixo das tuas asas habitar

Anjo meu
Ensina-me o caminho correto
Quero contigo aprender o que é certo
Quero contigo aprender a amar.

Leva-me
Para bem junto á ti
Pois sei
Que só assim poderei sorrir
Tendo teu sorriso a me guiar

Vem amor
Só nos teus braços encontro proteção
Segure firme minha mão
Mostre-me os segredos que possui teu coração.

NANDA Salles

Dedicado ao meu amigo"José"


Psiu!
Ainda estou aqui meu doce amigo...

Nossa vida é feita assim...
De momentos bons...
De momentos tristes...
De mometos alegres...
De mometos turvos
De momentos escuros...
Momentos eufóricos...
Momentos de nostalgia...

Mas certo é,que em todos esses momentos,
Deus sempre está caminhando conosco...
Sempre está nos ensinando sorrir...
Sempre nos amparando...
Por isso só Deus sabe o que nos necessário...
O que merecemos...
Quando é a hora de recebermos...

Nunca deixe que a tristeza te tome...
Nem que a solidão te consuma...
Nunca se sinta só...
Nem tão pouco veja da noite o negrume...

Olhe,sempre com esses olhos de amor...
Com esse coração cantante...
Viaje,sonhe,sinta a magia da vida...
Cante os sentimentos...
Alce sempre a vóz no pranto...
Pois chorando,será confortado...
Confortado, sorrirá...
Sorrindo,viverá com esperança...
E na esperança,sentirá Deus...
E nele encontrará sempre o conforto...

Só Deus sabe...
O que procuras...
O que sente...
O que pensas...
O seu pensamento...

Só Deus sabe,o que te é melhor...
Nunca estará só,pois tens tantos amigos!

Rosa D Saron
Goiania,16/06/2009

Luz


O que trago dentro de mim
É uma luz de ouro trigo
Cheia de amor e paixão
É aquilo que não te digo...
Que está escrito na minha mão
É uma seara na vida
Que embala o meu coração
Uma força onde eu consigo
Agarrar-me com paixão
É o ar que eu respiro
Bombeando o coração
Com um abraço do vento
Sem sequer tocar na mão.
É a carta que não te escrevo
Perdida no amor do chão.
É a luz que eu não consigo
Afastar sem solidão.

Cristina Pinheiro

Continuamos a vida...


Até ao presente existiram cinco grandes momentos felizes na minha vida. Refiro-me aos nascimentos dos meus Filhos e dos meus Netos. São dias memoráveis que ao longo do tempo faz crescer o Amor que só um pai e uma mãe sabem sentir ou descrever. Em 2003 e , a propósito, escrevi um poema e do qual citarei uma parte:

"Procuras o teu caminho,
com convicção,
à busca da felicidade.
Procura;
não desistas.
Verás a luz do teu caminho!"


Com isto pretendo que estas palavras sejam uma mensagem futura para Filhos e Netos.
E a Vida continua ...
Nós continuamos a Vida!

José Manuel Brazão

Zé Marialva


Marialva que se preze
alfacinha que me enaltece
nas palavras que me escreve
com Brasão na poesia.
Um amigo
que procura
quem na vida, lhe sorria
com uma simples palavra doce
em palavras de poesia
e na insónia que não perdoa
lá escreve boa poesia
Quando oferece rosas às moças
é o Zé em demagogia
a quem eu devo todo o respeito
lindo amigo da poesia.

Cristina Pinheiro

domingo, 14 de junho de 2009

Este teu olhar



Nenhum mistério á em mim
Que os teus olhos não possam desvendar
Sinto- me assim
Totalmente entregue a ti
Ao ver-me refletida no teu belo olhar
Dentro deles descubro a beleza e a certeza
De tanto te amar
E mesmo que a distância me mantenha distante de ti
Fazendo- me assim a dor da saudade chorar
Nada irá te separar de mim
Pois pra sempre estarás aqui
Refletido no meu apaixonado olhar.

NANDA Salles

Amor e simpatia


Cada vez que me junto com Amigos e Colegas na Poesia aparece em mim uma alegria indisfarçável!

Renasce aquela onda de simpatia que naqueles momentos floresce sem darmos conta!

Fica naquele momento a saudade de um novo encontro!

Na minha visão da convivência sã, paira por ali a admiração, o respeito e o amor que nos une!

Beijos e Abraços


Do
José Manuel Brazão

sábado, 13 de junho de 2009

Você e o vento


Ao fechar meus olhos posso te encontrar
Na brisa suave do vento que agora está a me tocar
Vejo teu rosto amado meu
Sinto-o bem juntinho ao meu

Tocas-me como o vento trazendo alegria
Muita paz e calmaria
Teu amor é minha companhia

Que delicia é sentir o teu tocar
Tu és o próprio vento
Vento que toca minha alma
Vento que me faz amar.

NANDA Salles

Os poetas


Quem entende os poetas?!
No olhar o horizonte
Deslumbram o firmamento,
Deslizam no arco-íris
Sentem rios serenos no peito
Ou mar revolto,
Beijam a lua, abraçam o sol.

Quem entende os poetas?!
Nas palavras navegam,
Em marés de emoção se afundam,
Aquietam o vento
Correm descalços sempre com a mão na palavra.
Na boca pintam sonhos
E voam com pássaros em folhas claras.

Quem entende os poetas?!
Na trigonometria fazem contas
Mas nunca conseguem
Só somar, subtrair ou dividir
Erguem números sem paredes
Nas letras constroem alicerces,
Onde mora a poesia
Que para eles é respirar.
Calam no silêncio onde se refugiam.

Pois quem entende os poetas,
Com toda esta forma estranha
De sentir a vida…

Ana Coelho

Dia de Santo António

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Ao amigo "Zé"


Quando a tua alma
Ficar triste
Mesmo que se sinta assim
Saiba que o amor vale mais,
Abra seu coração!
E quando chegar a noite
E sentires solidão,
Te pergunto,
Abriu seu coração?
Vou te falar um segredo:
Um coração
Abre apenas a parte de dentro
E só o dono tem a chave!
E se ele abre ou fecha
Depende apenas de você.
Quando abrir!
Tome cuidado
Jogue fora a tristeza,
Deixe apenas lembranças
E deixe um lugarzinho
Para refletir a beleza
Que a vida oferece.
Certamente a
Ternura irá fluir.
Seu coração torna-se novo
Vai ser uma fonte de alegria,
Será maravilhoso ver-te sorrir.

Rosangela

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Filho meu


Quando te olhei pela primeira vez...
senti um amor intenso, imenso, eterno!
Amor de mãe,
é tudo o que tenho, realmente para te dar.
Mas será incondicional…
intemporal…
será até á morte.
Sabes o que é amor de mãe?
Eu não sei, mas tu sabes, meu filho.

Luisa Simões Martins

Rita


Dezanove de Maio de dois mil e oito
Traduz o dia que jamais conseguirei esquecer.
Podia ser outro dia qualquer, mas não é.
É no dia dezanove.
Provei nesse dia o sabor mais intenso
Da tua boca húmida e gostei.
Gostei como nunca.
Gostei como sempre.
Engrandeci por te ter.
Sinto que contigo as horas
Não são suplícios de uma vida inútil.
Tornei-me homem maduro
Com a magia da tua presença.
Possuí-te como nunca tinha feito
Nos tempos em que conheci outras mulheres.
E o tempo é conselheiro.
Sei que desejas a minha presença.
Sinto isso!
Não consigo explicar, mas sinto.
Saboreei a tua presença como uma dádiva
E jamais rescindi com os meus sentimentos.
Sei que o contrato que fiz para comigo mesmo
É para levar até ao fim...
Peço desculpa por ser, por vezes, uma subtracção
Da soma que esperavas, mas estou em constante aprendizagem.
Numa mutação crescente em mim
E na procura de ser mais eu para ti.
Sem códigos, nem condutas.
Ao fim ao cabo, este contrato é apenas
A loucura de saber que te pertenço
E disso não quero abrir mão.
Torna-me claro, amor.
Quero estar bem ciente daquilo que queres.
Navegar em águas de um mar revolto não me apetece.
Quero paz. Sossego imenso.
Contigo somos um.
Agora só quero olhar para ti.
Fascinar-me com a tua presença.
A todo o tempo a tua forma humana
Se fixa no pensamento.
Fazes-me bem. Sempre fizeste.
O teu corpo é paz, Rita.
Não fujas daquelas certezas que ainda tens.
Fica aqui.
Como antes, comigo...

Gonçalo Lobo Pinheiro

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Na luz do teu olhar


Teus olhos revelam coisas…
Que minh`alma teima em ocultar
Ao olhá-los de tão perto me entrego
Nada escondo
E não tenho como esconder
Porque eles decifram o que se passa
Aqui
Bem dentro do meu ser...
Doce e amado anjo
Quando olho teus olhos me sinto mais viva
Preenchida por um imenso e devastador
Amor
Um sentimento tão forte capaz de curar-me de toda dor...
ah....esses olhos…
Qual diamantes azuis
mui raros
daria tudo para eternamente os poder olhar
ver o brilho que me arrepia
me fascina
e me embriaga...
Como o sedento que procura o oásis no deserto
Eu procuro teus olhos olhar
para a sede de meu coração saciar..

Saciar minha sede ao olhar
Na imensidão do mar do teu olhar..
Quando tu me olhas
Nos teu olhos tenho uma visão do céu...
Quanto tempo terei que esperar?
Para novamente meu anjo encontrar
Não agüento um dia sem a tua compahia
sem os olhos teus me sinto sem nada por dentro vazia
Qual sepulcro caiado
tento manter as aparências
que na tua ausência se tornam vãs.

NANDA Salles

sábado, 6 de junho de 2009

Hora de acreditar















Existência ainda de uma manhã, procuro na madrugada a dimensão da verdade. A tristeza rasteja baixinho e foge não encontrando um sentido. Nasce assim a certeza da razão numa verticalidade inquietante. Um sorriso, um peito aberto, um suspiro ao amanhã que vem com ganas de viver. Tudo vai rodar em torno da razão, mas é o sentimento que dita o caminho, é a mão quente que desenha o mapa dos passos que vão surgindo dia após dia. A respiração ofegante apressa o minuto seguinte.
A perseverança traz o trabalho, traz o sustento que esquece os dias de um Inverno rigoroso na alma e na mente. As letras são meras figuras dançantes que me iludem o sorriso pela esperança de as tornar palavras. Agora é hora de arregaçar o olhar e seguir em frente arrastando comigo os que acreditam que está na hora de acreditar.
.
Até sempre!

Vanda Paz

Fui sair


Fui sair…
Não estou!
Podes falar…
Não vou escutar!
Nem quero!
Preciso de mim…!
Fechar os olhos, reflectir e pensar.
Evacuar no silêncio…eu sou assim…
Não vou falar!

Vais perdoar!?
Eu vou sorrir e brincar...
Evadir-me de mim...
Hoje não quero receber nem dar,
Só quero sentir sofrer até chorar,
Sem se notar.

Não me segurem!
Não quero sentir
nenhuma mão a agarrar.
O orgulho não vai deixar.
Nem penses, ver uma lágrima
sair do meu olhar.
Estou a sofrer...eu sei!
Mas eu sou forte...
vou saber sempre aguentar!

Eu sou assim, não vou mudar!

Cristina Pinheiro (Mim)

Seguimos sempre juntos


Seguimos juntos
Na mesma direção
Sempre juntos
De mãos dadas
Corações abertos pelo caminho da felicidade e do amor
Seguimos juntos
Esta linda jornada
Apenas nossos passos marcam nosso caminho
O futuro o que nos reserva?
Ainda não sabemos o certo
Mas usamos a lupa do coração
Para entrarmos pela alma á dentro
Para descobrirmos enfim
Quem rege nossa linda caminhada
Um sentimento lindo
Forte e doce chamado
Amor
Então chegamos à conclusão exata
De que nunca nos permitiremos partir
Porque eu viverei eternamente em ti
Assim como vives em mim
De mãos dadas
Apenas
Eu
Você
E mais nada.

NANDA Salles

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Aquilo que a Vida me deu


Filhos do Universo

Meus filhos
vão partindo,
deixando Luz,
cheiro e amor!

Escolhem o seu caminho:
aqui com oportunidades,
ali com contrariedades!

Pai resignado,
continua vigilante
e expectante
no seu silêncio!

Pai cansado,
mas com vontade de viver,
continua a estrada da Vida!

Pára e olha;

vê os seus filhos,
serem filhos do Universo!




Um Avô!

Passa o tempo
sem dar por isso!

Os netos crescem,
procuram-me
e não me encontram!

Ando por aí,
olhando por este,
ajudando aquele.

Passa o tempo
e meus netos crescem!

Não os vejo,
mas imagino
o amor
que nos atravessa.

Não os vejo,
mas sinto-os
a todo o instante!

Não me encontram,
mas sabem
que estou vivo,
sempre com o amor
por mensagem…

José Manuel Brazão

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Na bateira



Na bateira
feita do teu corpo
navego
na margem da ria
salpicada de sal.

Lanço a rede.

Encho-me de ti
e gozo.

As cores
dos chorões-da-praia
dançam distorcidas
pelos olhos
encharcados de prazer.

Os teus lábios,
borboletas coloridas
que me pintam os seios.

As tuas mãos,
o leme do meu corpo.

Na rede
saltam orgasmos prateados
pelo sorriso do sol.

Vanda Paz

Súplica de um feto


.Sinto frio...
O que está acontecendo?
Estou ficando sem movimentos
O ar está faltando
Sinto-me sem forças
Nem consigo mais abrir os olhos

Diz-me mãe querida, o que está acontecendo?
Quero sentir seu carinho, seu afago, seu calor...
Mas sinto-te distante, calada, desanimada, e irada...

Diz-me mãe querida...
O que se passa contigo?
Antes me transmitia segurança...
Hoje está com dor...

Mãe acaricie-me...
Estou com frio... Muito frio!
Meus dedinhos perdem a força...
Meu coraçãozinho está quase parando...
Mãe por favor... Reaja não se deixe abater...
Preciso e quero viver...

Quero ver o seu lindo sorriso...
Aninhar-me em seus braços...
Recompensar-te por tanto carinho...
Pois aqui nesse cantinho
Alimentaste-me com tanto amor.

Mãe reaja... Lute por mim...
Não me deixe assim.
Estou com frio...


Sei que está triste...
Coração machucado...
Que está só, sem apoio...
Foste abandonada pelo meu pai...
Não liga mãe... Eu estou aqui...
Sou um pedacinho de ti.

Não está só, reaja, pois está me perdendo...
E eu não quero ir...
Mãe abrace-me... Estou com frio... Muito friooooooo.....

Enxugue as lágrimas...
Não me deixe partir!

Rosa D Saron

terça-feira, 2 de junho de 2009

Nosso jardim


Segure minha mão
Voe junto comigo
Além do infinito
Rasgando a imensidão
Somente eu, você e a paixão.

Para chegarmos enfim
No nosso amado jardim secreto
Feito só pra mim e pra ti
Repleto de flores
Amor e poesia
Feito de pura magia
Sentimo-nos anjos voando em outra dimensão

Onde cada gesto
Cada toque
Cada olhar
Tem um significado diferente

Cada detalhe
Reflete como fogos dentro da gente
Em uma explosão de cores e sentimentos

No nosso jardim somos livres
O desejo nos alimenta a cada dia
A paixão nos dá asas
E o amor impulsiona a voar.

Butterfly

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Se o amanhã não vier...


Texto anexado ao mural da comunicação interna da GOL
Feito um dia após da queda Boeing pelo marido de uma das aeromoças.


Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você dormir
Eu aconchegaria você mais apertado,
E rogaria ao senhor que protegesse você.

Se eu soubesse que essa seria a última vez que veria você sair pela
porta,
Eu abraçaria, beijaria você, e chamaria de volta,
Para abraçar e beijar uma vez mais.

Se eu soubesse que essa seria a última vez que ouviria sua voz em
oração,
Eu filmaria cada gesto, cada palavra sua,
Para que eu pudesse ver e ouvir de novo, dia após dia.

Se eu soubesse que essa seria a última vez,
Eu gastaria um minuto extra ou dois, para parar e dizer: EU TE AMO
Ao invés de assumir que você já sabe disso.

Se eu soubesse que essa seria a última vez,
Eu estaria ao seu lado, partilhando do seu dia, ao invés de pensar:
"Bem, tenho certeza que outras oportunidades virão, então eu posso
deixar passar esse dia."

É claro que haverá um amanhã para se fazer uma revisão,
E nós teríamos uma segunda chance para fazer as coisas de maneira
correta.
É claro que haverá outro dia para dizermos um para o outro: "EU TE
AMO",

E certamente haverá uma nova chance de dizermos um para o outro:
"Posso te ajudar em alguma coisa?"
Mas no caso de eu estar errado, e hoje ser o último dia que temos,
Eu gostaria de dizer

O QUANTO EU AMO VOCÊ,

E espero que nunca esqueçamos disso.

O dia de amanhã não esta prometido para ninguém, jovem ou velho,
E hoje pode ser sua última chance de segurar bem apertado, a mão da
pessoa que você ama.

Se você está esperando pelo amanhã, porque não fazer hoje?

Porque se o amanhã não vier, você com certeza se arrependerá pelo
resto de sua vida,
De não ter gasto aquele tempo extra num sorriso, num abraço, num
beijo, porque você estava "muito ocupado" para dar para aquela pessoa, aquilo
que acabou sendo o último desejo que ela queria.

Então, abrace seu amado, a sua amada HOJE.
Bem apertado.
Sussurre nos seus ouvidos, dizendo o quanto o ama e o quanto o quer
junto de você.
Gaste um tempo para dizer:

"Me desculpe"

"Por favor"

"Me perdoe"

"Obrigado"

ou ainda:

"Não foi nada"

"Está tudo bem".


Porque, se o amanhã jamais chegar, você não terá que se arrepender pelo dia de hoje.
Pois o passado não volta, e o futuro talvez não chegue.


Texto cedido por gentileza de ROSANGELA minha Colega e Amiga no site Luso-Poemas

Crianças




Cada criança é uma pétala de Amor

José Manuel Brazão